Instituto Evolute

Devo tomar substâncias psicadélicas sozinho, com um acompanhante, um terapeuta ou num retiro?

Índice

Nos últimos anos, as substâncias psicadélicas ganharam uma atenção significativa como potencial ferramenta para a saúde mental e a auto-exploração. Outrora associadas sobretudo à contracultura, estas substâncias estão agora a ser seriamente consideradas pelo seu valor terapêutico, bem como para explorações espirituais e de crescimento em contextos não clínicos. No entanto, com este interesse renovado, surge uma questão crucial: Qual é a melhor forma de experimentares os psicadélicos? Será melhor fazê-lo sozinho, com a orientação de um facilitador pessoal, ou como parte de um retiro de grupo?

Este artigo pretende abordar esta questão, fornecendo informações para qualquer pessoa, quer tenhas experiência com substâncias psicadélicas ou estejas apenas a começar a explorar as suas possibilidades. No final desta leitura, terás uma melhor compreensão de qual o ambiente - a solo, individual ou em grupo - que melhor se adequa às tuas necessidades e preferências. Estamos aqui para te ajudar a tomar uma decisão informada sobre a tua viagem psicadélica, uma decisão que te pareça correcta. Tem em atenção que não fornecemos aconselhamento médico e que deves sempre procurar a ajuda de um profissional de saúde antes de tomares qualquer decisão sobre o consumo de substâncias psicadélicas. Vamos lá mergulhar.

1. Escolher o ambiente certo para a tua viagem psicadélica é crucial

No cerne da experiência psicadélica está a sua profunda capacidade de aumentar o significado e a profundidade das nossas percepções e emoções. Estas substâncias, longe de serem meros alucinogénios, actuam como amplificadores da construção da nossa realidade interna e das nossas narrativas, trazendo à superfície pensamentos, sentimentos e percepções que muitas vezes permanecem escondidos no nosso subconsciente. Esta caraterística única das substâncias psicadélicas faz com que o ambiente em que são consumidas seja um fator essencial para moldar a experiência.

Considera, por exemplo, o impacto do ambiente e da companhia quando usas substâncias psicadélicas. Num ambiente sereno e natural, uma pessoa pode encontrar-se profundamente ligada ao ambiente, experimentando um sentido de unidade e harmonia com a natureza. O chilrear dos pássaros ou o farfalhar das folhas podem assumir um significado profundo, levando a um sentimento de interconexão com o mundo. Por outro lado, num ambiente cheio de gente e ruidoso, a experiência pode ser esmagadora ou desorientadora, com cada estímulo a intensificar a sensação de caos e confusão interior.

O cenário desempenha um papel crucial, pois pode ser um casulo que alimenta a tua viagem ou uma distração que a dificulta. Isto sublinha a importância de escolher cuidadosamente o cenário da tua experiência. Não se trata apenas da localização física, mas também do contexto emocional e social. Compreender que os psicadélicos amplificam as características do seu ambiente e companhia pode guiar-te na seleção de um ambiente que se alinhe com os teus objectivos, necessidades e níveis de conforto, assegurando uma experiência mais significativa e enriquecedora.

Se não te apetecer aprofundar este artigo, eis um resumo rápido dos pontos fortes e fracos de cada tipo de ambiente.

1.1 Resumo: Os prós e os contras das viagens a solo, das sessões individuais e dos retiros de grupo

 Viagens a soloSessões individuais (com terapeuta)Retiros de grupo
Autonomia e controloControlo total sobre o ambiente e a experiênciaAtenção e cuidados personalizadosExperiências partilhadas e energia colectiva
Auto-exploraçãoAuto-exploração sem filtrosOrientação terapêuticaApoia a auto-exploração ao mesmo tempo que aprende com as experiências dos outros
PrivacidadePrivacidade e confidencialidade absolutas (se ninguém souber onde obténs as tuas substâncias)Acompanhamento confidencial, centrado nas necessidades individuaisMenos controlo sobre a privacidade, mas esta pode ser acordada em grupo e a partilha é opcional. Um sentido de comunidade e camaradagem apoia a vontade de partilhar. 
CustoApenas a substância 😉Muito caroBoa relação entre custo e serviço e alguns fornecedores oferecem preços dependentes do rendimento.
Apoio externoFalta de apoio externo imediatoPotencial dependência do facilitadorProfissionais com diferentes formações disponíveis. Um forte contentor de grupo apoia a experiência individual.
Preocupações com a segurançaRiscos de segurança sem uma ama sóbria, especialmente em doses elevadasDesequilíbrio de poder e ultrapassagem de fronteirasFalta de apoio individual em grupos demasiado grandes se estiverem presentes poucos facilitadores ou se estes forem pouco qualificados
Interpretação da experiênciaRisco de interpretações erróneas e auto-referenciaisFalta de diversidade de perspectivasO grupo pode afetar o fluxo da experiência pessoal. Os guias apoiam a criação de significado. Alguns prestadores de serviços oferecem sessões individuais antes e depois da experiência. 
Intensidade emocionalPotencial de isolamento ou de emoções fortesPode sentir-se desconfortável ao ser observado por uma única pessoa (estar no centro das atenções) Não está no centro das atenções, a atenção é distribuída. A profundidade da experiência depende muito das competências do facilitador e da composição do grupo (sentimento de confiança e segurança)

E aqui tens uma visão geral das sugestões sobre qual a configuração mais adequada para ti.

1.2 Resumo: Qual é o melhor cenário para a minha experiência psicadélica?

Fator / DefiniçãoViagens a soloSessões individuais (com terapeuta)Retiros de grupo
Procura uma introspeção não estruturada e tem muita experiência com substâncias psicadélicas✔️  
Prefere a autonomia e o controlo total sobre o contexto da experiência✔️  
Utilizador de psicadélicos pela primeira vez ✔️✔️
Procura experiências culturais ou espirituais específicas (✔️)✔️
Necessidade de cura e apoio terapêutico ✔️(✔️)
Necessidade de orientação e apoio personalizados ✔️✔️
Utilizador psicadélico experiente que procura novas perspectivas num ambiente de apoio seguro e profissional (✔️)✔️
Desejo de um sentido de comunidade e de pertença (embarcar numa viagem em conjunto)  ✔️
Procura apoio mútuo e aprender uns com os outros (partilha de experiências tanto como ouvinte como partilhante)  ✔️
Possibilidade de escolher guias e parceiros de conversação de uma equipa de profissionais com os quais mais te identificas  ✔️
Preferência pela privacidade e confidencialidade✔️✔️(✔️)*

* Os retiros de grupo de elevada qualidade conseguem combinar sessões individuais com sessões de grupo, dando assim a cada participante espaço suficiente para se retirar ou para receber atenção pessoal quando necessário. A partilha em grupo é voluntária e, nos retiros profissionais, todos os participantes assinam um acordo de confidencialidade e as regras de participação (incluindo a confidencialidade) são discutidas e acordadas previamente.   

2. A viagem psicadélica a solo

um pássaro solitário a voar no céu

2.1 O que significa "tropeçar" por si só

Embarcar numa viagem psicadélica a solo é semelhante a zarpar num vasto e desconhecido oceano da mente. A beleza e o desafio é que és o capitão e o marinheiro ao mesmo tempo. Neste cenário, tens autonomia para navegar pelos teus pensamentos, emoções e revelações sem influência externa. Numa viagem a solo, tens a liberdade de deixar que a tua experiência se desenrole naturalmente, seguindo o ritmo da tua mente e do teu corpo. Sem a presença de outros, o teu diálogo interior e a tua experiência tornam-se o único foco. É uma experiência que te proporciona o derradeiro espaço pessoal, livre das expectativas ou reacções dos outros.

Quando tomas substâncias psicadélicas sozinho, podes criar um ambiente adaptado ao teu conforto e preferências. Isto pode significar escolher um espaço familiar e seguro, como o sofá da tua sala de estar ou o teu local de meditação pessoal em casa, onde controlas elementos como a iluminação, a música e o ambiente geral.

Dito isto, este tipo de viagem pode ser extremamente desafiante. A ausência de um guia ou companheiro significa que tens de estar preparado para enfrentar o que vier à tona, confiando nos teus próprios recursos para navegar através de momentos difíceis ou intensos. É essencial teres recursos psicológicos internos suficientes e um plano para lidares com pensamentos ou emoções desafiantes que possam surgir. Isto requer um elevado grau de preparação mental e resiliência. 

Além disso, no caso de haver uma perturbação (alguém a tocar à porta ou algo extremo como um incêndio no edifício, etc.), podes ficar bastante vulnerável e sobrecarregado. A tua segurança física pode estar em risco se desenvolveres paranoia ou pensares que podes voar, mergulhar ou nadar quando não podes.

Se quiseres compreender melhor o possível lado negro de uma experiência psicadélica, vê o nosso artigo A "má viagem" psicadélica: O lado negro paradoxal dos psicadélicos.

2.2 Prós e contras de "tropeçar" sozinho

Prós

  • Controlo total sobre a experiência: Numa viagem a solo, tens a autonomia de adaptar todos os aspectos do ambiente ao teu gosto, desde a música ao nível de iluminação. Esta personalização pode aumentar o conforto e a segurança, com menos distracções.
  • Auto-exploração sem filtros: Sem a presença de outros, é mais provável que mergulhes em níveis mais profundos de reflexão autorreferencial. Esta introspeção desenfreada pode levar-te a profundas percepções pessoais.
  • Privacidade e confidencialidade: Uma viagem a solo garante uma privacidade absoluta, permitindo-te explorar temas sensíveis ou profundamente pessoais sem te preocupares com julgamentos externos ou interrupções.

Contras

  • Falta de apoio externo: Sem um facilitador ou acompanhante, lidar com emoções intensas ou pensamentos desafiantes que surgem pode ser assustador. Esta falta de apoio imediato pode potencialmente levar a uma experiência difícil. Especialmente para quem é novo no mundo dos psicadélicos, esta sobrecarga pode desencadear uma espiral de medo que leva a um estado de pânico e à procura de soluções potencialmente contraproducentes (por exemplo, tomar ansiolíticos ou sair fisicamente do nosso espaço seguro para procurar ajuda).
  • Preocupações com a segurança: Na ausência de uma ama ou guia sóbrio, a segurança física pode ser uma preocupação. Garantir um ambiente seguro e ter um plano em caso de emergência é crucial. Precisas de ter muita experiência com substâncias psicadélicas, idealmente incluindo viagens desafiantes, para teres uma ideia de como reagir quando as coisas se tornam difíceis.
  • Possibilidade de interpretações incorrectas: As viagens a solo não têm a perspetiva externa que um facilitador ou um terapeuta podem proporcionar. Isto pode levar a interpretações pouco úteis da experiência ou a oportunidades perdidas de compreensão terapêutica. As nossas interpretações podem ser auto-referenciais e estamos limitados ao que sabemos e podemos compreender. Não podemos beneficiar da sabedoria de outros que passaram por processos semelhantes. Por exemplo, algumas pessoas desenvolvem o "complexo de Messias", pensando que receberam conhecimentos únicos e secretos de Jesus, de Deus ou de qualquer outro ser sagrado a que só elas e nenhum outro ser humano têm acesso. Embora muitas pessoas tenham, de facto, uma experiência espiritual profunda sob o efeito de substâncias psicadélicas, a arte consiste em integrá-la cuidadosamente na tua vida, de uma forma humilde e fortalecedora. Em vez de pensar que agora sou o Escolhido, o que provavelmente levará ao auto-isolamento e ao distanciamento da realidade, receber orientação sobre a minha interpretação pode ajudar-me a estabelecer laços mais profundos com o sagrado sem perder o fundamento.
  • Riscos de isolamento: Para alguns, o isolamento de uma viagem a solo pode exacerbar os sentimentos de solidão ou de desconexão, especialmente se a experiência se tornar difícil. É importante compreender que muitas, se não quase todas, as nossas feridas são de natureza relacional, ou seja, acontecem nas relações com outras pessoas. É por isso que cuidar e curar estas feridas requer normalmente outra pessoa que nos possa dar aquilo de que talvez precisássemos na altura em que fomos feridos, por exemplo, oferecendo-nos um gesto reconfortante como um abraço ou segurando a mão de alguém quando precisamos de ter a certeza de que não estamos sozinhos.
  • Perde o impacto transformacional: O impacto mais profundo e sustentável de uma viagem psicadélica pode acontecer nos dias que se seguem à experiência psicadélica (não durante!), quando nos encontramos com um grupo de confiança, acolhedor e sintonizado, bem como com facilitadores e treinadores especializados, e interagimos com eles de novas formas, fazendo novas experiências de referência emocionais e relacionais (ver o investigação inovadora sobre a criticidade social). Se estivermos sozinhos, podemos perder precisamente o que pode ser a experiência crucial de desenvolvimento ou integração para nós. Ou, pior ainda, podemos ficar abalados e traumatizados se estivermos rodeados de pessoas rudes e pouco sintonizadas nos dias que se seguem à experiência psicadélica - isso pode reforçar um padrão de desconexão e desfasamento com o mundo, levando a tendências mais isolacionistas.

3. A sessão psicadélica individual

um farol que guia um barco e participa numa cerimónia de psilocibina

3.1 Preciso de um assistente de viagem?

Devido aos riscos de segurança psicológica e fisiológica de uma experiência psicadélica a solo, especialmente para um indivíduo relativamente inexperiente (menos de 10 experiências psicadélicas), o papel de um 'trip sitter' surge como uma consideração importante.

Um trip sitter é um indivíduo sóbrio e de confiança que acompanha alguém durante a sua experiência psicadélica, garantindo a sua segurança e proporcionando uma presença de apoio. Um trip sitter casual concentra-se principalmente em criar um ambiente seguro, manter uma presença calma e solidária e estar atento às necessidades do indivíduo sob influência.

Este apoio pode incluir aspectos práticos como a gestão do ambiente para melhorar a experiência, garantir a hidratação e o conforto, evitar que o indivíduo se magoe fisicamente de forma involuntária e oferecer apoio emocional se surgirem sentimentos intensos. Idealmente, os assistentes de viagem possuem frequentemente um bom conhecimento da substância que está a ser utilizada e aderem a princípios éticos como o não julgamento, a confidencialidade e a escuta compassiva. Embora não estejam a orientar a experiência, a sua presença afecta a pessoa que se encontra num estado altamente vulnerável e recetivo. Apesar de, na maioria dos casos, ser mais seguro ter um trip sitter do que fazer uma viagem a solo, isso não significa que o teu melhor amigo ou parceiro seja a pessoa ideal para estar contigo. Uma experiência psicadélica pode ter momentos imprevisíveis em que um trip sitter, ao contrário de um terapeuta pessoal ou de um facilitador profissional com formação e experiência em terapia psicadélica assistida, não terá a capacidade de intervir adequadamente nesses momentos chave para conduzir a experiência para um lugar seguro.

3.2 O papel de um facilitador pessoal

Numa sessão psicadélica individual, a presença de um facilitador pessoal pode transformar dramaticamente a experiência. Um bom facilitador não é apenas um guia; é uma presença compassiva e altruísta, um navegador competente e um aliado de apoio, tudo num só. O seu papel é multifacetado, centrando-se na criação de um ambiente seguro e acolhedor, oferecendo apoio emocional e ajudando a contextualizar a experiência durante e após a sessão.

Quais são então as características e as tarefas de um mediador psicadélico profissional?

Criar um ambiente seguro e de confiança 

A principal responsabilidade do facilitador é garantir a segurança e o conforto do indivíduo. Para isso, prepara um ambiente propício a uma viagem positiva e introspectiva. Trabalha em estreita colaboração com o indivíduo para compreender as suas necessidades, preferências e apreensões, ajustando o ambiente em conformidade.

Apoio emocional e orientação
Durante a sessão, o facilitador permanece presente e atento, oferecendo apoio emocional e tranquilidade. É treinado para reconhecer e responder aos vários estados emocionais que podem surgir, proporcionando uma presença tranquilizadora que pode ser particularmente crucial durante momentos de vulnerabilidade ou revelação intensa.

Navegar na experiência psicadélica
Um facilitador ajuda-te a navegar na experiência psicadélica. São hábeis a orientar o fluxo da sessão, conduzindo gentilmente o indivíduo através das diferentes fases da experiência e ajudando-o a manter-se ancorado se a viagem se tornar difícil.

Especialização em terapia psicadélica
Para aplicações clínicas, por exemplo, para o tratamento de PTSD, depressão ou perturbações de ansiedade, os facilitadores têm formação especializada em terapia psicadélica (por exemplo, a nossa facilitadora Naomi da Evolute foi formada pela MAPS, a principal organização de formação em terapia psicadélica assistida). Esta especialização inclui uma compreensão dos aspectos farmacológicos dos psicadélicos, conhecimento das teorias psicológicas relevantes para as experiências psicadélicas e competências em técnicas terapêuticas que são eficazes nestes contextos únicos.

Integração pós-sessão
Talvez um dos papéis mais importantes de um facilitador seja o de ajudar na integração da experiência psicadélica na vida quotidiana do indivíduo. As discussões e os debates após a sessão são essenciais para dar sentido às ideias adquiridas e aplicá-las de forma construtiva e significativa.

3.3 Prós e contras da sessão psicadélica individual

Prós:

  • Atenção e cuidados personalizados: Num ambiente individual, o facilitador concentra-se inteiramente no indivíduo. Esta atenção personalizada garante que a sessão seja adaptada para atender às necessidades emocionais e psicológicas específicas da pessoa, proporcionando uma experiência personalizada.
  • Segurança e apoio reforçados: A presença de um facilitador treinado aumenta significativamente a segurança da experiência psicadélica. Estão equipados para lidar com quaisquer estados emocionais ou psicológicos difíceis que possam surgir, oferecendo apoio e intervenção imediatos, se necessário.
  • Integração facilitada: O facilitador desempenha um papel vital ao ajudar os indivíduos a processar e integrar as suas experiências. Este apoio contínuo pode ser crucial para traduzir as percepções da viagem psicadélica em mudanças significativas na vida.
  • Uma experiência clínica terapêutica: Para quem procura resultados terapêuticos, uma sessão individual com um facilitador pode oferecer uma experiência terapêutica estruturada e orientada. A experiência do facilitador em psicoterapia pode ajudar a orientar a sessão para áreas de tratamento e cura da doença.

Contras:

  • Perspectivas limitadas: Embora os facilitadores ofereçam uma orientação valiosa, as suas interpretações e percepções podem por vezes ofuscar a compreensão individual da sua experiência. Isto pode potencialmente limitar a interpretação pessoal e o aspeto de auto-descoberta da viagem. Por exemplo, enquanto muitas pessoas que participam em estudos clínicos psicadélicos atribuem grande importância à sua experiência espiritual, a maioria dos terapeutas clínicos é ensinada a não dar muita atenção a estas experiências (os encontros espirituais são considerados um efeito secundário, na melhor das hipóteses, e um incómodo e uma distração da cura, na pior)
  • Risco de dependência: Existe um risco potencial de te tornares demasiado dependente do facilitador, especialmente se os indivíduos sentirem que não conseguem navegar na experiência psicadélica sem apoio guiado. Há uma linha ténue entre apoiar uma pessoa e desempoderá-la. O facilitador não se deve transformar no curandeiro que faz toda a cura - isto colocaria o viajante numa posição passiva e dependente. Frases como "Eu sei exatamente o que tu precisas, melhor do que tu próprio!" ou "Eu tenho mensagens especiais para ti" são sinais claros de alerta.[1]
  • Dinâmica de potência: A pessoa que está sob a influência de substâncias psicadélicas estará extremamente vulnerável durante várias horas e, nesse sentido, exposta ao facilitador. Devem existir normas éticas muito claras e explícitas no que diz respeito ao respeito pelos limites pessoais (como o toque físico). Infelizmente, houve casos no passado em que até facilitadores de alto nível exploraram o seu poder e ultrapassaram vários limites, prejudicando os seus pacientes (por exemplo aqui)
  • Custo e acessibilidade: As sessões individuais são caras e podem não ser acessíveis à maioria das pessoas. O custo de um facilitador formado, juntamente com o cenário e outros preparativos, pode ser proibitivo. A maioria das sessões individuais dura apenas 6 a 8 horas, mas seria muito mais vantajoso dedicar muito mais tempo à preparação e à integração (pelo menos 2 dias). No entanto, quase ninguém pode pagar um processo mais longo, de vários dias, com um facilitador pessoal.

4. Retiros psicadélicos em grupo

retiro da constelação de estrelas interligadas

4.1 Dinâmica de grupo em retiros psicadélicos

Os retiros psicadélicos em grupo oferecem um ambiente distinto onde os indivíduos se juntam para explorar a sua consciência num espaço partilhado. Aqui tens algumas características de bons retiros psicadélicos em grupo.

Ambiente centrado na comunidade:
O coração de um retiro de grupo reside no sentido de comunidade que cultiva. Os participantes são frequentemente reunidos num ambiente tranquilo e isolado, propício à introspeção e à interação comunitária. Um retiro de alta qualidade tem à sua disposição um centro de retiro privado completo - idealmente na natureza - e acompanha os seus participantes durante vários dias. Este ambiente permite que os indivíduos se sintam parte de uma rede de apoio, partilhando um objetivo e uma viagem comuns, e deixando muito tempo para conversas com os companheiros de viagem e guias.

Instalação de retiro Evolute Institute


Experiências partilhadas
:
Num retiro de grupo, os participantes embarcam nas suas viagens psicadélicas em simultâneo. No Evolute Institute, por exemplo, as pessoas deitam-se numa sala cerimonial nos seus próprios tapetes confortáveis e recebem uma máscara para os olhos, para que a viagem se faça para dentro. A dinâmica de grupo nestes retiros não se resume à partilha de um espaço físico; trata-se de partilhar energia e intenção, bem como a música que está a ser tocada. Esta energia colectiva pode influenciar significativamente a experiência individual, oferecendo um sentido de unidade, apoio e ligação que pode ser mais difícil de alcançar em ambientes a solo e que permite que o sistema nervoso de cada pessoa relaxe mais profundamente na experiência. A partilha da experiência depois é muitas vezes sentida como profundamente tocante e enriquecedora - cada viagem é única e, no entanto, encontramos elementos da nossa viagem em muitas das experiências dos outros. A extensa relação que ocorre antes, durante e depois da cerimónia psicadélica é uma parte importante da integração pessoal, do crescimento e do desenvolvimento de cada pessoa - mais do que pode ser óbvio para os viajantes de primeira viagem que podem assumir que se trata sobretudo da substância psicoactiva. A nossa experiência tem demonstrado repetidamente que, em vez disso, é mais sobre as novas experiências de incorporação, introspeção e relacionamento que fazemos em torno da própria viagem psicadélica que tem o maior e mais duradouro impacto na vida das pessoas. 

Actividades de grupo estruturadas:
A maioria dos retiros de grupo inclui actividades estruturadas como discussões de grupo, sessões de meditação ou ioga, e outras práticas preparatórias e integradoras. Estas actividades são concebidas para aprofundar a experiência psicadélica, ajudando os participantes a processar e integrar as suas experiências, tanto individualmente como em grupo. Os principais fornecedores, como o Evolute Institute, têm um currículo orientado para o desenvolvimento real, conteúdos baseados em evidências e práticas avançadas de Gestalt ou semelhantes, além de palestras interactivas sobre desenvolvimento vertical, liderança, integração ou percepções das tradições de sabedoria.  

Sessões orientadas por facilitadores:
Os retiros de grupo são normalmente dirigidos por um ou mais facilitadores que orientam a experiência geral. Estes facilitadores garantem um ambiente seguro, conduzem actividades de grupo e dão apoio durante as sessões psicadélicas. Os melhores centros de retiro têm um rácio facilitador-participante de (1:2) e os facilitadores trazem diversas competências e experiências, por exemplo, médicos, psicólogos, guias cerimoniais, terapeutas somáticos e especialistas em integração.

Equilibrar as necessidades individuais e colectivas:
Um aspeto fundamental dos bons retiros de grupo é o equilíbrio entre a viagem individual e a experiência colectiva. Os facilitadores e a estrutura do retiro têm como objetivo honrar a jornada pessoal de cada pessoa, ao mesmo tempo que promovem um espaço partilhado onde todos se sentem ligados e apoiados. Programas de retiro líderes como o EvoLEAD oferecem jornadas de desenvolvimento altamente personalizadas com quatro sessões de coaching 1:1 ao longo dos seus programas, para além de todo o conteúdo e formatos experienciais baseados no grupo.

4.2 Prós e contras dos retiros psicadélicos em grupo

bússola e viajante facilitador e guia
Prós:

  • Sentimento profundo de pertença: Uma das principais vantagens dos retiros de grupo é o ambiente de apoio que promovem. Os participantes encontram frequentemente conforto e encorajamento nas experiências partilhadas pelos seus pares. É muitas vezes nas histórias dos outros que nos vemos e encontramos a nós próprios - sentimos que pertencemos verdadeiramente ao grupo. Esta energia partilhada cria um sentido único de unidade e interligação. O apoio dos outros permite-nos tocar em sítios profundos que não conseguiríamos tocar sozinhos. Os investigadores psicadélicos falam de "communitas", que é definida como "união intensa e humanidade partilhada que transcende temporariamente as estruturas sociais". Um estudo descobriu que a communitas durante a cerimónia estava significativamente correlacionada com o aumento do bem-estar psicológico e outros resultados importantes para a saúde mental.[2]
  • Domina as experiências desafiantes: A investigação indica que estar acompanhado num grupo reduz a probabilidade de experiências difíceis durante uma viagem psicadélica. [3] Quando as pessoas se sentem mais confortáveis e ligadas ao seu ambiente, normalmente colhem mais benefícios da experiência psicadélica.
  • Espelhar e modelar comportamentos: Os contextos de grupo permitem espelhar e modelar comportamentos, como a vulnerabilidade e a abertura. Ver os outros a fazer uma introspeção profunda ou a expressar emoções pode encorajar comportamentos semelhantes, criando um espaço seguro para todos os participantes se abrirem.[4], [5]
  • Equipas de facilitadores diversificadas: Os retiros de grupo beneficiam frequentemente da existência de equipas de facilitadores diversificadas, incluindo médicos, psicólogos e treinadores. Esta variedade garante uma abordagem completa da orientação e do apoio, indo ao encontro das diferentes necessidades dos participantes.
  • Segurança máxima: Os bons retiros psicadélicos de grupo podem dar-se ao luxo de ter um médico no local para além de facilitadores qualificados - isto é normalmente muito raro nas sessões individuais. Além disso, os organizadores de retiros de alta qualidade têm uma equipa de 4-5 pessoas presentes durante a cerimónia com um grupo de 8-10 pessoas, de modo a que estejam sempre pelo menos 3 facilitadores na sala durante a viagem psicadélica, para que o espaço esteja sempre bem controlado (mesmo quando, por exemplo, 1-2 facilitadores saem por um momento para acompanhar os participantes à casa de banho ou estão em pausa). Esta é também uma forma de evitar abusos de poder (em contraste com as sessões individuais em que o poder do facilitador é basicamente incontrolado).
  • Aprende com os outros: Os contextos de grupo permitem a partilha de experiências e ideias, o que pode ser uma oportunidade de aprendizagem profunda. Ouvir sobre as viagens dos outros pode fornecer perspectivas e percepções diferentes que podem não surgir num ambiente a solo ou individual. Esta partilha comunitária pode ser particularmente esclarecedora, pois mostra as diversas formas como os psicadélicos podem afetar os indivíduos.

Contras:

  • Pressão dos pares: Se não for facilitada de forma competente, a dinâmica de grupo pode conduzir a experiências negativas, como a pressão dos pares ou a influência de personalidades dominantes. Isto pode prejudicar o percurso pessoal do indivíduo e levar ao desconforto ou ao conformismo. É necessária uma seleção cuidadosa dos participantes, bem como uma grande capacidade de facilitação por parte dos líderes e guias do grupo.
  • Preocupações com a privacidade: Num ambiente de grupo, a privacidade pode ser limitada. Partilhar experiências pessoais num grupo pode ser assustador para alguns. Um fator que distingue os retiros excepcionais dos medíocres é quando um "recipiente seguro" cuidadosamente criado permite que os participantes se abram totalmente, a um nível que muitas vezes até surpreende os próprios participantes. Isto requer tempo e competências de facilitação, pelo que os programas que se esforçam por criar essa sincronização de grupo são normalmente mais longos, por exemplo, 3 semanas de trabalho preparatório, 4 dias no local e 2 meses de integração, no caso do programa EvoLEAD do Evolute Institute.
  • Questões relacionadas com o tamanho do grupo: O tamanho do grupo pode afetar a qualidade da experiência. Grupos grandes (>12 pessoas) podem levar a uma falta de atenção individual dos facilitadores e à fragmentação do grupo, diluindo a orientação personalizada e a confiança no grupo que podem ser cruciais para uma experiência psicadélica profunda. É por isso que nós no Evolute Institute acreditamos que é crucial manter o grupo pequeno e íntimo, limitando o número de participantes a um máximo de 12 pessoas. 12 pessoas, mais frequentemente 8-10 pessoas.
  • Dependência das competências do facilitador: A qualidade do retiro de grupo depende em grande medida da capacidade e das competências dos facilitadores. A facilitação especializada é crucial para gerir eficazmente a dinâmica do grupo, garantir a segurança e fornecer uma orientação significativa. Uma facilitação inexperiente ou inadequada pode comprometer significativamente a experiência e reduzir o impacto no crescimento e desenvolvimento pessoal. Em casos limite, o comportamento negligente, insensível ou prepotente do pessoal pode mesmo prejudicar as pessoas e ter um efeito traumatizante sobre elas.

5. Escolher o ambiente certo para a tua viagem psicadélica

Aqui, exploramos os principais aspectos a ter em conta ao escolher entre uma viagem a solo, uma sessão individual ou um retiro de grupo.uma bússola de estilo moderno

5.1 Perguntas que deves fazer a ti próprio

  • Objectivos pessoais: O que esperas conseguir com a tua experiência psicadélica? Procuras uma exploração curiosa, uma cura terapêutica ou um sentido de comunidade e de experiência partilhada? Uma viagem a solo pode ser mais adequada para uma exploração não estruturada, enquanto um ambiente individual pode ser ideal para fins terapêuticos. Os retiros de grupo destinam-se muitas vezes a quem procura desenvolvimento pessoal e partilha de experiências, aprendendo com os outros e tendo apoio profissional.
  • História da saúde mental: Como é a tua saúde mental? O teu historial de saúde mental é um fator vital para esta decisão. Se tiveres um historial de problemas de saúde mental, por exemplo, depressão clínica, é aconselhável a orientação profissional num ambiente individual. As viagens a solo podem ser arriscadas para quem tem este tipo de antecedentes e para quem não tem muita experiência psicadélica. Os retiros de grupo podem ser óptimos para o crescimento pessoal, para abraçar e libertar feridas psicológicas, bem como para explorações espirituais, mas não para terapia clínica.
  • Níveis de conforto com substâncias psicadélicas: Quanta experiência tens com substâncias psicadélicas? A tua familiaridade e nível de conforto com substâncias psicadélicas desempenham um papel importante. Os principiantes podem achar mais tranquilizador o apoio estruturado de um retiro de grupo ou a segurança guiada de uma sessão individual. Indivíduos muito experientes podem preferir a autonomia de uma viagem a solo.
  • Segurança e definição: Como é que vais cuidar da tua segurança e do teu apoio? A segurança deve ser uma prioridade na tua decisão. Considera qual o ambiente que oferece a segurança e o apoio de que necessitas. Isto inclui não só a segurança física, mas também a segurança emocional e psicológica. Um ambiente controlado é crucial, especialmente se fores novo no mundo dos psicadélicos ou se já tiveres tido experiências difíceis no passado. Os retiros de grupo podem oferecer padrões de segurança muito elevados porque podem trazer profissionais de diferentes disciplinas para garantir que todos os aspectos são cobertos.
  • Nível de profissionalismo: Qual o grau de profissionalismo e de confiança dos facilitadores? Qual é a formação dos facilitadores? Têm formação e experiência relevantes? Deves estar atento aos indicadores de que toda a organização é gerida de forma profissional, com normas claras e critérios de qualidade, desde o local físico do centro de retiros até ao comportamento e presença da equipa de facilitadores. Sentes que os facilitadores conseguem sintonizar-se contigo?
  • Preferências pessoais para a definição: Quais são as minhas preferências pessoais? Reflecte sobre a tua preferência por solidão versus interação social. Sentes-te mais confortável num ambiente privado e controlado ou gostas mais da energia de um grupo? A tua inclinação pessoal para a solidão ou para ambientes sociais pode ter um impacto significativo na tua experiência. Ao mesmo tempo, quando tens uma opinião muito forte sobre como deve ser a viagem (por exemplo, "definitivamente não vou fazer isto em grupo"), isso pode ser uma indicação de que estás a tentar evitar alguma coisa, por exemplo, tens dificuldade em abrir-te à frente de outras pessoas e, por isso, escolhes (inconscientemente) o caminho de menor resistência em vez de saíres da tua zona de conforto.
  • Acessibilidade e considerações práticas: Finalmente, considera aspectos práticos como a disponibilidade de facilitadores, a localização dos retiros de grupo e o investimento financeiro e de tempo necessário para cada opção. Estes pormenores logísticos, embora aparentemente menores, podem afetar a tua experiência global e a viabilidade da tua escolha.

5.2 Recomendações para diferentes necessidades

Aqui, oferecemos sugestões baseadas em várias preferências e objectivos individuais, ajudando-te a escolher o ambiente que melhor se adequa à tua viagem psicadélica pessoal.

  • Para uma viagem não estruturada:
    • Se o teu objetivo principal é a auto-exploração sem estruturas claras, uma viagem a solo pode ser a mais adequada.
    • Certifica-te de que tens muita experiência com substâncias psicadélicas e que estás num ambiente seguro e familiar. Prepara um plano para gerir emoções ou pensamentos difíceis que possam surgir.
  • Para tratamentos terapêuticos:
    • Os indivíduos que procuram resultados terapêuticos, particularmente aqueles que lidam com problemas específicos de saúde mental, podem beneficiar mais de uma sessão individual com um terapeuta psicadélico treinado, embora a terapia psicadélica de grupo também esteja a ser avaliada cientificamente.[6]
    • A experiência do terapeuta em psicoterapia pode proporcionar uma experiência estruturada e orientada, centrada nos objectivos terapêuticos e na cura emocional.
  • Para o desenvolvimento pessoal, o sentido de comunidade e as experiências partilhadas:
    • Se te sentes atraído pela ideia de partilhar energia e aprender com as experiências dos outros, um retiro psicadélico em grupo é uma escolha adequada.
    • Estes ambientes oferecem uma sensação de camaradagem e exploração colectiva, ideal para aqueles que encontram conforto e discernimento em jornadas partilhadas, ao mesmo tempo que têm tempo para reflexão pessoal e tempo a sós. O Evolute Institute, por exemplo, oferece quartos privados como parte do seu programa EvoLEAD, para que possas retirar-te a qualquer momento para o conforto do teu espaço privado.
    • Uma equipa de facilitadores grande e diversificada pode permitir-te procurar orientação e ter conversas significativas ou sessões de formação com diferentes facilitadores e podes procurar apoio daqueles com quem mais te identificas, e de pessoas diferentes em momentos diferentes.
  • Para os primeiros utilizadores de substâncias psicadélicas:
    • Os principiantes são muitas vezes aconselhados a começar com um ambiente guiado, seja individualmente ou num retiro de grupo. A presença de facilitadores experientes pode proporcionar segurança e orientação, tornando a experiência inicial menos assustadora.
    • Os retiros de grupo também podem oferecer uma introdução suave mas profunda aos psicadélicos, com o benefício adicional do apoio dos pares e da partilha de experiências.
  • Para utilizadores psicadélicos experientes que procuram novas perspectivas:
    • Se tens uma experiência considerável com substâncias psicadélicas e estás à procura de explorar novas dimensões ou perspectivas, alternar entre diferentes ambientes pode ser esclarecedor. Um espaço de grupo bem organizado, num recipiente de grupo de confiança e com apoio especializado pode permitir-te ir muito mais fundo na tua viagem - os nossos sistemas nervosos são bastante inteligentes e sabem quando é seguro deixarmo-nos ir completamente e quando é melhor manter algum controlo.
    • Participar em experiências a solo e em grupo, por exemplo, pode oferecer-te perspectivas contrastantes e uma compreensão mais completa das tuas experiências psicadélicas.
  • Para aqueles com interesses espirituais, culturais ou programáticos específicos:
    • Se o teu interesse por substâncias psicadélicas estiver ligado a práticas espirituais ou tradições culturais específicas, procura ambientes ou facilitadores especializados nestas áreas.
    • Os retiros de grupo oferecem frequentemente experiências temáticas que se alinham com práticas espirituais ou culturais específicas, proporcionando uma experiência mais direccionada e significativa.
    • Para profissionais e líderes organizacionais, um retiro de experiência de liderança profissional como o EvoLEAD by Evolute Institute pode ser uma boa opção. Aqui conheces outros empreendedores, agentes de mudança e líderes e constróis a tua rede de contactos enquanto desfrutas da qualidade de um currículo altamente profissional.

6. Conclusão

Em conclusão, embora a viagem psicadélica a solo ofereça muito controlo sobre o ambiente, requer uma consideração cuidadosa da preparação mental, do ambiente e das medidas de segurança. Só é adequada para quem tem experiência com substâncias psicadélicas e se sente confortável a navegar no seu mundo interior de forma independente. Para os principiantes ou para aqueles que têm problemas psicológicos mais profundos por resolver, é definitivamente mais aconselhável procurares orientação profissional ou considerares outros cenários. Viajar sozinho pode deixar-te numa sala de espelhos com os teus próprios pensamentos, não promovendo necessariamente uma introspeção mais profunda, e reexperimentar experiências passadas difíceis ou outras experiências do inconsciente individual ou coletivo pode ser profundamente perturbador ou mesmo traumatizante quando não tens apoio e estás sozinho

As sessões psicadélicas guiadas um-a-um oferecem um elevado grau de personalização e segurança, mas também têm algumas limitações relacionadas com o custo, a falta de diversidade, o risco de dependência e dinâmicas de poder desequilibradas.

Os retiros psicadélicos em grupo oferecem uma abordagem única e comunitária às experiências psicadélicas. Os prós deste tipo de ambientes incluem um ambiente de apoio entre pares, energia colectiva, modelos de comportamento e diversas equipas de facilitadores. No entanto, há que ter em conta potenciais contras, como dinâmicas de grupo complexas e preocupações com a privacidade. O sucesso e a qualidade destes retiros dependem muito da perícia e da capacidade dos facilitadores para criar uma experiência equilibrada, segura e enriquecedora para todos os participantes.

Selecionar o ambiente certo para uma experiência psicadélica é uma decisão crítica que pode influenciar significativamente o resultado da viagem. Não se trata de um cenário único, mas sim de uma ponderação cuidadosa de vários factores pessoais. Esperamos que este artigo te tenha dado alguma informação útil para a tua escolha. No final, não te esqueças de ouvir a tua intuição e ver o que te parece certo neste momento.

Dimi_square_small

Dr. Dmitrij Achelrod,

cofundador do Instituto Evolute

Um programa de retiro em grupo é adequado para a tua jornada de crescimento pessoal?

Convidamos-te a marcar uma chamada connosco. Juntos, podemos explorar quaisquer questões ou preocupações que possas ter. Podemos analisar se este programa é adequado para ti neste momento e garantir que te sentes confiante e pronto para abraçar esta experiência transformadora.

"Estamos aqui para apoiar a tua exploração, ao teu ritmo, sem expectativas." - Dmitrij Achelrod

Bibliografia

[1] Z. Shechtman e A. Kiezel, "Why Do People Prefer Individual Therapy Over Group Therapy? Int. J. Group Psychother., vol. 66, no. 4, pp. 571-591, Oct. 2016, doi: 10.1080/00207284.2016.1180042.

[2] H. Kettner, F. E. Rosas, C. Timmermann, L. Kärtner, R. L. Carhart-Harris, e L. Roseman, 'Psychedelic Communitas: Intersubjective Experience During Psychedelic Group Sessions Predicts Enduring Changes in Psychological Wellbeing and Social Connectedness', Frente. Pharmacol., vol. 12, 2021, Acedido: 29 de dezembro de 2023. [Online]. Disponível: https://www.frontiersin.org/articles/10.3389/fphar.2021.623985

[3] E. C. H. M. Haijen e outros., 'Predicting Responses to Psychedelics: Um estudo prospetivo", Frente. Pharmacol., vol. 9, p. 897, Nov. 2018, doi: 10.3389/fphar.2018.00897.

[4] P. Ponomarenko, F. Seragnoli, A. Calder, P. Oehen, e G. Hasler, 'Can psychedelics enhance group psychotherapy? Uma discussão sobre os factores terapêuticos", J. Psychopharmacol. Oxf. Engl., vol. 37, no. 7, pp. 660-678, Jul. 2023, doi: 10.1177/02698811231155117.

[5] B. R. Lewis, K. Byrne, J. Hendrick, E. L. Garland, P. Thielking, e A. Beck, 'Intervenções de terapia psicadélica assistida em formato de grupo: Observa e impressiona com o ensaio HOPE", J. Estuda psicadélico., vol. 7, no. 1, pp. 1-11, Jan. 2023, doi: 10.1556/2054.2022.00222.

[6] A. Trope, B. T. Anderson, A. R. Hooker, G. Glick, C. Stauffer, e J. D. Woolley, 'Psychedelic-Assisted Group Therapy: Uma Revisão Sistemática", J. Drogas psicoactivas, vol. 51, no. 2, pp. 174-188, Mar. 2019, doi: 10.1080/02791072.2019.1593559.

Quem conheces? Quem mais estaria interessado neste post?
Partilhar via
Subscreve o boletim informativo
No máximo, uma vez de duas em duas semanas.
A lâmpada que representa as ideias do blogue
A lâmpada que representa as ideias do blogue

Avança na tua busca de crescimento e bem-estar

Inscreve-te na Conversa de Especialistas Evolute em direto

Ideias inovadoras de grandes pensadores em conversa com os nossos anfitriões Evolute. Obtém uma visão única do teu próprio caminho de crescimento pessoal, profissional e espiritual. Não tens de pagar nada.

Ao inscreveres-te concordas em receber comunicações do Evolute Institute. Os teus dados não serão partilhados com terceiros.

"Quando me liberto do que sou, Eu torno-me naquilo que posso ser".

- Lao-Tzu

Recebe informações e actualizações de eventos do Evolute Institute