Instituto Evolute

O teu cérebro com substâncias psicadélicas: Introdução à Neurociência da Psilocibina & Co.

Índice

O que se passa no cérebro sob a influência de substâncias psicadélicas, incluindo o LSD, a psilocibina e o DMT?

Os psicadélicos têm um impacto profundo na consciência humana. Neste artigo, vamos aprofundar os fundamentos neurobiológicos destas substâncias que alteram a mente através de uma perspetiva científica. Iremos esclarecer a investigação de ponta e os conhecimentos fundamentais sobre a forma como estas drogas interagem com o cérebro. A nossa exploração centrar-se-á principalmente nos psicadélicos mais frequentemente utilizados e extensivamente investigados, conhecidos como "psicadélicos serotoninérgicos": Dietilamida do ácido lisérgico (LSD), psilocibina e N, N-dimetiltriptamina (DMT). Entra no mundo dos neurotransmissores e do "cérebro anárquico".

A ligação dos neurotransmissores

A estrutura de um recetor de serotonina 5-H2A ativado por psicadélicos.

A estrutura de um recetor de serotonina 5-H2A ativado por psicadélicos.1

A serotonina encontra-se no nosso cérebro, uma vez que é um neurotransmissor. Modula o humor, a cognição, a aprendizagem, a memória e vários processos fisiológicos como a vasoconstrição (o estreitamento dos vasos sanguíneos, através da contração de pequenos músculos nas suas paredes). 

Um grupo de investigadores concorda que a ativação do recetor 5-HT2A é necessária para a maioria dos efeitos psicoactivos das substâncias psicadélicas serotoninérgicas.2 As substâncias psicadélicas activam esses receptores através da mímicarege as acções da serotonina para produzir os efeitos psicoactivos.3 É por isso que os psicadélicos são referidos como agonistas (parciais) desse recetor específico no cérebro. Como podes ver abaixo, quimicamente, alguns destes compostos são muito semelhantes à serotonina.

Fonte da imagem4

Como é que sabemos o que acontece no cérebro?

A nossa compreensão do modo como as substâncias psicadélicas funcionam e provocam alterações no nosso comportamento já percorreu um longo caminho, graças aos grandes saltos nas técnicas de imagiologia cerebral como a eletroencefalografia (EEG), a magnetoencefalografia (MEG) e a ressonância magnética funcional (fMRI). Estes métodos forneceram informações valiosas sobre as interacções intrincadas entre a atividade cerebral e o comportamento em resposta a substâncias psicadélicas. Segue-se uma visão geral da evolução da utilização destas técnicas ao longo do tempo. Podes deduzir do gráfico que, desde 2010, a utilização da fMRI para a psilocibina e o LSD tem sido particularmente proeminente.

 

Evolução das técnicas de neuroimagem 

Fonte: Psicadélicos e neuroimagem fNIRS: explora novas oportunidades. 5

O Prof. Karl Friston é um pioneiro no campo da fMRI e o neurocientista mais frequentemente citado na história. Friston e os seus colegas propuseram uma teoria que elucida a mecânica do funcionamento dos psicadélicos no cérebro. A sua teoria, conhecida como "REBUS e o Cérebro Anárquico: Toward a Unified Model of the Brain Action of Psychedelics", representa uma incursão intrigante neste campo de estudo. Mais tarde, abordaremos o modelo REBUS.6

Interligação em regiões do cérebro

 

Fonte da imagem7

Acima tens uma representação fascinante do cérebro humano sob a influência de substâncias psicadélicas. Esta visualização simplificada da interconectividade do cérebro sob placebo e sob psilocibina apoia a ideia de que a psilocibina perturba a organização normal do cérebro com o aparecimento de ligações funcionais fortes, topologicamente de longo alcance, que não estão presentes num estado normal.8

Assim, os psicadélicos facilitam um aumento significativo da conetividade entre diferentes partes do cérebro, permitindo uma exploração profunda de diferentes estados de espírito.

Este aumento da conetividade de certas regiões cerebrais pode indicar que o cérebro está num estado de superalimentação. No entanto, alguns estudos sugerem que, sob a influência de substâncias psicadélicas, a atividade do cérebro, medida em termos de fluxo sanguíneo, é significativamente reduzida. Esta é uma descoberta intrigante que criou uma antítese ao modelo REBUS para compreender a experiência psicadélica.9

Default Mode Network (DMN) - o "Executivo"

Falar de diminuição da atividade no cérebro leva-nos à Rede de Modo Padrão (DMN). É uma rede de regiões cerebrais interligadas que está mais ativa quando a tua mente está concentrada e preocupada contigo. Quando estás a sonhar acordado, a refletir sobre ti próprio e a pensar no teu passado ou futuro, estás a aceder à DMN. A DMN é uma rede importante no cérebro, uma vez que as suas regiões associadas são as que consomem mais fluxo sanguíneo10 e energia11 no cérebro.

Esta rede é vital para o nosso sentido do eu. Algumas das tuas crenças mais fundamentais sobre ti próprio estão instanciadas na DMN. Considera-a como o arquiteto por detrás da nossa narrativa e identidade pessoais, moldando a linha entre o "eu" e o "outro" e mantendo o nosso pensamento autorreferencial. Além disso, o DMN desempenha um papel na forma como avaliamos e percebemos a nossa importância e valor no mundo. Por isso, é também o nosso líder de claque pessoal. Está envolvido no processamento emocional autorreferencial, que inclui as nossas reflexões sobre as realizações individuais, o nosso estatuto em comparação com os outros e o nosso sentido geral de autoestima. Algumas pessoas chamam-lhe mesmo o nosso "CEO" ou o "Executivo" do nosso cérebro.

A DMN é um sistema que tem suscitado grande interesse na investigação sobre a depressão grave. A investigação mostra que as pessoas que sofrem de depressão têm uma DMN mais ativa. O DMN está associado à geração de pensamentos auto-referenciais, à ruminação negativa e aos sintomas depressivos.12

No que diz respeito aos psicadélicos, os estudos mostraram que substâncias como o LSD, a psilocibina e o DMT podem perturbar o funcionamento típico da DMN. Diminui a sua atividade. Como explorámos no artigo "Uma espreitadela na mente psicadélica", um botão que desce quando estás sob a influência de um psicadélico. Esse botão pode ser representado pelo DMN. À medida que se vai baixando, leva a experiências de dissolução do ego, onde a fronteira entre o "eu" e o "outro" começa a desaparecer. Como vimos no artigo "artigo sobre viagens más", estar pronto para se libertar durante a experiência, talvez das nossas imagens do eu instanciadas no DMN, é fundamental para evitar uma experiência significativamente desconfortável.

A redução da auto-importância e do foco em si mesmo pode explicar porque é que muitos utilizadores relatam sentimentos de unidade e interconexão com o mundo à sua volta durante as experiências psicadélicas. Expressões como "levantar o véu" e "abrir as portas da perceção" para uma experiência maior fazem mais sentido neste contexto.

Curiosamente, estudos descobriram que na meditação, especialmente em meditadores experientes, a atividade da DMN também é significativamente reduzida13 - um paralelo com a experiência psicadélica que está a ser explorada pelos investigadores.14

O brilho psicadélico posterior: Alterações cerebrais a curto e a longo prazo

O fenómeno do "afterglow" que se segue ao uso de substâncias psicadélicas, tipicamente caracterizado por uma sensação duradoura de clareza, melhoria emocional e vivacidade perceptiva, encontrou agora uma explicação fascinante com raízes na neurociência. 

De acordo com um estudo realizado por investigadores da Johns Hopkins Medicine, as substâncias psicadélicas podem potencialmente reabrir "períodos críticos" no cérebro15O período crítico é uma fase em que o cérebro demonstra uma maior sensibilidade aos sinais ambientais, influenciando assim o seu desenvolvimento. Presume-se que o período crítico é mais elevado na infância e na adolescência e diminui progressivamente à medida que atingimos a idade adulta. É notável que, dependendo do psicadélico específico consumido, estes períodos críticos podem ser reabertos e mantidos abertos entre dois dias a quatro semanas com apenas uma dose16. 

A duração da reabertura do período crítico está correlacionada com a duração dos efeitos subjectivos de cada medicamento. 17

Investigações anteriores demonstraram que os períodos críticos desempenham um papel crucial em diversas funções, como a aquisição da linguagem nos seres humanos18, pássaros a aprender a cantar19reaprende as capacidades motoras depois de um AVC20ou estabelecer a dominância ocular21. É nestes períodos críticos, explica o Professor Associado de Neurociências da Johns Hopkins, Dr. Gül Dölen, que o cérebro está mais aberto a novas aprendizagens, uma recetividade que diminui com o tempo.

 

A neuroplasticidade cria uma "janela de oportunidade"

À semelhança do período crítico, a neuroplasticidade desempenha um papel fundamental no rescaldo e na possibilidade de transformação de uma experiência psicadélica. A neuroplasticidade refere-se à capacidade do cérebro para se reorganizar e alterar a sua estrutura física e organização funcional em resposta a exigências ambientais, aprendizagem e experiências. As crianças têm níveis mais elevados de neuroplasticidade do que os adultos e, por conseguinte, uma melhor capacidade de aprendizagem e desenvolvimento. Descobriu-se que substâncias psicadélicas como o LSD e a psilocibina estimulam os processos de neuroplasticidade estrutural a nível molecular e celular.22 Estudos demonstram que uma única dose destas substâncias pode estimular de forma aguda a neuroplasticidade, com efeitos a longo prazo após uma única dose.23

A neuroplasticidade e o período crítico mostram que os psicadélicos criam "uma janela de oportunidade" para a transformação. A investigação tem demonstrado melhorias a longo prazo no bem-estar e na qualidade de vida após o consumo de substâncias psicadélicas, especialmente em indivíduos saudáveis que são espiritualmente activos ou que enfrentam problemas de fim de vida.24 Estudos sobre a psilocibina e o LSD revelaram melhorias duradouras no bem-estar. Um estudo significativo realizado por Griffiths et al. (2006) revelou que, em indivíduos saudáveis, dois meses após uma sessão de psilocibina, 79% dos participantes relataram um aumento moderado (50%) a muito (29%) no seu bem-estar ou satisfação com a vida. Para além disso, este efeito benéfico parece perdurar, com 64% dos participantes a reportarem a mesma melhoria num seguimento de 14 meses.25  Quando utilizada no contexto e ambiente correctos, com orientação, e combinada com um trabalho de preparação e integração intencional, os benefícios de uma experiência psicadélica são susceptíveis de persistir para além do período agudo de pós-brilho. 

Uma compreensão neurocientífica da experiência psicadélica

Várias culturas ao longo do tempo e do espaço construíram a sua compreensão da experiência psicadélica, aprende sobre o uso antigo destas tecnologias da consciência. No Ocidente, em 2023, o modelo REBUS (RErelaxado Beliefs Under pSA teoria do "cérebro anárquico" representa a teoria de ponta na compreensão das experiências psicadélicas. 

Proposto por Carhart-Harris e K. J. Friston, o modelo REBUS sugere que os psicadélicos actuam relaxando os pressupostos, crenças ou "antecedentes" do cérebro, que são as melhores suposições ou previsões do nosso cérebro sobre o mundo com base em experiências passadas. Por exemplo, a tua crença sobre como um estranho irá reagir se lhe fizeres um elogio dependerá muito da tua experiência anterior, provavelmente na tua infância, quando te aproximaste de um estranho e como ele reagiu a ti. Este relaxamento das nossas crenças (antecedentes) permite que a informação sensorial de baixo para cima, muitas vezes suprimida por esses antecedentes, flua mais livremente e influencie a nossa consciência.

Além disso, o modelo REBUS postula que as condições cerebrais induzidas pelas substâncias psicadélicas, tais como o aumento da entropia cerebral e o relaxamento dos antecedentes, criam um ambiente ideal para reformular crenças de alto nível. Este estado de espírito mais flexível e aberto é adequado para fomentar a introspeção e a mudança de perspetiva. Este modelo de relaxamento e revisão de crenças, assistido farmacologicamente, pode desempenhar um papel fundamental no futuro dos cuidados de saúde mental, aumentando potencialmente a eficácia dos tratamentos actuais.

Por exemplo, em vez de seres influenciado principalmente pelas tuas crenças (que se baseiam na tua experiência anterior), podes mergulhar mais profundamente no momento presente e observar o que realmente é, em vez do que supuseste que seria. Voltando à ideia de fazeres um elogio a um estranho, a experiência do momento presente de Veres que o desconhecido aprecia o teu elogio e te devolve um, pode sobrepor-se à tua crença de que as pessoas se vão rir de ti ou repudiar sempre que te aproximas delas. Este processo de relaxamento de crenças começa com o efeito dos psicadélicos nos receptores 5-HT2AR e pode ser observado como um aumento da entropia ou desordem da atividade cerebral.

Um vasto leque de experiências psicadélicas, incluindo a emergência de material previamente inconsciente na consciência, pode ser explicado através do modelo REBUS. Ao afrouxar o controlo dos antecedentes de alto nível, que geralmente resumem e suprimem o conteúdo potencial das nossas mentes e do mundo exterior, os psicadélicos libertam esse conteúdo suprimido. 

Como já foi referido, foram propostas críticas válidas ao modelo REBUS. Este debate é de natureza metafísica, uma vez que se confronta com o (in)famoso "problema difícil da consciência", que diz respeito à questão de saber se a consciência emerge do cérebro ou se é anterior a ele. Deixamos isso para a tua própria exploração.

Uma destas críticas vem do Dr. Bernardo Kastrup, que contrapõe o modelo REBUS através da sua teoria do idealismo analítico. Um dos seus argumentos questiona a proposição de entropia ou desordem no cérebro psicadélico devido à natureza altamente ordenada da experiência psicadélica:  

"Como é que é possível que experiências que as pessoas classificam entre as 5 mais significativas das suas vidas estejam associadas ao facto de o cérebro adormecer? 
- Bernardo Kastrup 26

 

A neurociência, mas uma perspetiva da experiência psicadélica

A neurociência dos psicadélicos, um campo em rápida evolução, continua a lançar luz sobre a nossa compreensão destas tecnologias da consciência. 

Técnicas como EEG, MEG e fMRI mostraram que, ao interagir com o sistema serotoninérgico do nosso cérebro, especificamente os receptores 5-HT2A, os psicadélicos como o LSD, a psilocibina e o DMT têm um impacto profundo na função e estrutura do cérebro, através da neuroplasticidade e da reabertura de períodos críticos. O aumento da flexibilidade mental, a resolução criativa de problemas e a auto-perceção indicam o potencial para intervenções terapêuticas e crescimento pessoal. 

Embora tenham sido dados passos significativos, lembra-te que a nossa compreensão ainda está a evoluir. Além disso, diferentes culturas ao longo do tempo construíram os seus entendimentos sobre o significado da experiência psicadélica. A integração de teorias cognitivas e neurocientíficas como o modelo REBUS são tentativas contínuas de aprofundar a nossa compreensão destes processos intrincados numa teoria abrangente. Não podemos compreendê-los apenas a partir do exterior, a perspetiva fenomenológica/da primeira pessoa também é fundamental. Para começares a tua própria exploração, recomendamos esta exploração do "mudança de paradigma"


Tem em atenção que não fornecemos aconselhamento médico e que deves sempre procurar ajuda de um profissional de saúde antes de tomares qualquer decisão sobre o consumo de substâncias psicadélicas.

Referências
  1. Canal, C. E. (2018). Psicodélicos Serotoninérgicos: Abordagens experimentais para avaliar os mecanismos de ação. Manual de Farmacologia Experimental, 252, 227. https://doi.org/10.1007/164_2018_107
  2. Nichols DE. Psychedelics. Pharmacol Rev. 2016 Apr;68(2):264-355. doi: 10.1124/pr.115.011478. Errata em: Pharmacol Rev. 2016 Apr;68(2):356. PMID: 26841800; PMCID: PMC4813425
  3. Kim K, Che T, Panova O, et al. Estrutura de um Recetor de Serotonina 5-HT2A Acoplado a Gq Ativado por Alucinogénio. Célula 2020; 182: 1574-1588.e19
  4. Nichols DE. Psychedelics. Pharmacol Rev. 2016 Apr;68(2):264-355. doi: 10.1124/pr.115.011478. Errata em: Pharmacol Rev. 2016 Apr;68(2):356. PMID: 26841800; PMCID: PMC4813425
  5. Felix Scholkmann, Franz X. Vollenweider,
    "Psicadélicos e neuroimagem fNIRS: explorando novas oportunidades,"
    Neurophoton. 10(1) 013506 (2 de dezembro de 2022)
  6. Carhart-Harris RL, Friston KJ. REBUS e o Cérebro Anárquico: Rumo a um modelo unificado da ação cerebral dos psicadélicos. Pharmacol Rev. 2019 Jul;71(3):316-344. doi: 10.1124/pr.118.017160. PMID: 31221820; PMCID: PMC6588209
  7. Petri G, Expert P, Turkheimer F, Carhart-Harris R, Nutt D, Hellyer PJ, Vaccarino F. Homological scaffolds of brain functional networks. J R Soc Interface. 2014 Dec 6;11(101):20140873. doi: 10.1098/rsif.2014.0873. PMID: 25401177; PMCID: PMC4223908.
  8. Petri G, Expert P, Turkheimer F, Carhart-Harris R, Nutt D, Hellyer PJ, Vaccarino F. Homological scaffolds of brain functional networks. J R Soc Interface. 2014 Dec 6;11(101):20140873. doi: 10.1098/rsif.2014.0873. PMID: 25401177; PMCID: PMC4223908
  9. Carhart-Harris RL, Erritzoe D, Williams T, Stone JM, Reed LJ, Colasanti A, Tyacke RJ, Leech R, Malizia AL, Murphy K, Hobden P, Evans J, Feilding A, Wise RG, Nutt DJ. Neural correlates of the psychedelic state as determined by fMRI studies with psilocybin. Proc Natl Acad Sci U S A. 2012 Fev 7;109(6):2138-43. doi: 10.1073/pnas.1119598109. Epub 2012 Jan 23. PMID: 22308440; PMCID: PMC3277566
  10. Zou Q, Wu CW, Stein EA, Zang Y, Yang Y. Características estáticas e dinâmicas do fluxo sanguíneo cerebral durante o estado de repouso. Neuroimage. 2009 Nov 15;48(3):515-24. doi: 10.1016/j.neuroimage.2009.07.006. Epub 2009 Jul 14. PMID: 19607928; PMCID: PMC2739419
  11. Raichle ME, Snyder AZ. Um modo predefinido de funcionamento do cérebro: uma breve história de uma ideia em evolução. Neuroimage. 2007 Oct 1;37(4):1083-90; discussão 1097-9. doi: 10.1016/j.neuroimage.2007.02.041. Epub 2007 Mar 6. PMID: 17719799
  12. Farb NA, Anderson AK, Bloch RT, Segal ZV. Mood-linked responses in medial prefrontal cortex predict relapse in patients with recurrent unipolar depression. Biol Psychiatry. 2011 Aug 15;70(4):366-72. doi: 10.1016/j.biopsych.2011.03.009. Epub 2011 Apr 30. PMID: 21531382; PMCID: PMC3145008
  13. Garrison KA, Zeffiro TA, Scheinost D, Constable RT, Brewer JA. A meditação leva à redução da atividade da rede de modo padrão para além de uma tarefa ativa. Cogn Affect Behav Neurosci. 2015 Sep;15(3):712-20. doi: 10.3758/s13415-015-0358-3. PMID: 25904238; PMCID: PMC4529365
  14. Wise, T., Marwood, L., Perkins, A. M., Joules, R., Lythgoe, D. J., Luh, W., Williams, S. C., Young, A. H., Cleare, A. J., & Arnone, D. (2017). Instabilidade da conetividade da rede de modo padrão na depressão maior: Um estudo de confirmação de duas amostras. Psiquiatria translacional, 7(4), e1105. https://doi.org/10.1038/tp.2017.40
  15. Nardou, R., Sawyer, E., Song, Y. J., Wilkinson, M., De Deus, J. L., Wright, N., Lama, C., Faltin, S., Goff, L. A., L., G., & Dölen, G. (2023). Os psicadélicos reabrem o período crítico de aprendizagem da recompensa social. Natureza, 618(7966), 790-798. https://doi.org/10.1038/s41586-023-06204-3
  16. Nardou, R., Sawyer, E., Song, Y. J., Wilkinson, M., De Deus, J. L., Wright, N., Lama, C., Faltin, S., Goff, L. A., L., G., & Dölen, G. (2023). Os psicadélicos reabrem o período crítico de aprendizagem da recompensa social. Natureza, 618(7966), 790-798. https://doi.org/10.1038/s41586-023-06204-3
  17. Nardou, R., Sawyer, E., Song, Y. J., Wilkinson, M., De Deus, J. L., Wright, N., Lama, C., Faltin, S., Goff, L. A., L., G., & Dölen, G. (2023). Os psicadélicos reabrem o período crítico da aprendizagem da recompensa social. Nature, 618(7966), 790-798. https://doi.org/10.1038/s41586-023-06204-3
  18. Hartshorne JK, Tenenbaum JB, Pinker S. Um período crítico para a aquisição de uma segunda língua: Evidence from 2/3 million English speakers. Cognition. 2018 Aug;177:263-277. doi: 10.1016/j.cognition.2018.04.007. Epub 2018 May 2. PMID: 29729947; PMCID: PMC6559801.
  19. Lorenz, K. Der Kumpan in der Umwelt des Vogels. J. Ornitol 83, 137-213 (1935).
  20. Dromerick AW, Geed S, Barth J, Brady K, Giannetti ML, Mitchell A, Edwardson MA, Tan MT, Zhou Y, Newport EL, Edwards DF. Estudo do Período Crítico após Acidente Vascular Cerebral (CPASS): A phase II clinical trial testing an optimal time for motor recovery after stroke in humans. Proc Natl Acad Sci U S A. 2021 Sep 28;118(39):e2026676118. doi: 10.1073/pnas.2026676118. PMID: 34544853; PMCID: PMC8488696.
  21. Hensch TK, Quinlan EM. Períodos críticos na ambliopia. Vis Neurosci. 2018 Jan;35:E014. doi: 10.1017/S0952523817000219. Errata em: Vis Neurosci. 2018 Jan;35:E024. PMID: 29905116; PMCID: PMC6047524.
  22. Bouso, J. C., Palhano-Fontes, F., Rodríguez-Fornells, A., Ribeiro, S., Sanches, R., Crippa, J. A. S., Hallak, J. E., De Araujo, D. B., & Riba, J. (2015). O uso prolongado de drogas psicadélicas está associado a diferenças na estrutura cerebral e na personalidade em humanos. Neuropsicofarmacologia Europeia, 25(4), 483-492. https://doi.org/10.1016/j.euroneuro.2015.01.008
  23. Bouso, J. C., Palhano-Fontes, F., Rodríguez-Fornells, A., Ribeiro, S., Sanches, R., Crippa, J. A. S., Hallak, J. E., De Araujo, D. B., & Riba, J. (2015). O uso prolongado de drogas psicadélicas está associado a diferenças na estrutura cerebral e na personalidade em humanos. Neuropsicofarmacologia Europeia, 25(4), 483-492. https://doi.org/10.1016/j.euroneuro.2015.01.008
  24. Griffiths R, Richards W, Johnson M, McCann U, Jesse R. Experiências de tipo místico ocasionadas pela psilocibina medeiam a atribuição de significado pessoal e espiritual 14 meses mais tarde. J Psychopharmacol Oxf Engl 2008; 22: 621-32
  25. Griffiths R, Richards W, Johnson M, McCann U, Jesse R. Experiências de tipo místico ocasionadas pela psilocibina medeiam a atribuição de significado pessoal e espiritual 14 meses mais tarde. J Psychopharmacol Oxf Engl 2008; 22: 621-32
  26. Evidência empírica para o Idealismo Analítico (Parte 5) | Idealismo Analítico com Bernardo Kastrup
Quem conheces? Quem mais estaria interessado neste post?
Partilhar via
Subscreve o boletim informativo
No máximo, uma vez de duas em duas semanas.
A lâmpada que representa as ideias do blogue
A lâmpada que representa as ideias do blogue

Avança na tua busca de crescimento e bem-estar

Inscreve-te na Conversa de Especialistas Evolute em direto

Ideias inovadoras de grandes pensadores em conversa com os nossos anfitriões Evolute. Obtém uma visão única do teu próprio caminho de crescimento pessoal, profissional e espiritual. Não tens de pagar nada.

Ao inscreveres-te concordas em receber comunicações do Evolute Institute. Os teus dados não serão partilhados com terceiros.

"Quando me liberto do que sou, Eu torno-me naquilo que posso ser".

- Lao-Tzu

Recebe informações e actualizações de eventos do Evolute Institute