Instituto Evolute

Devo fazer uma microdose ou uma macrodose de substâncias psicadélicas? | Caminhos para o Crescimento Pessoal com Psilocibina e LSD

Índice

O campo do desenvolvimento pessoal testemunhou o advento das substâncias psicadélicas como ferramentas de transformação. Com base na investigação científica, os psicadélicos demonstraram efeitos substanciais no cérebro e foram associados a benefícios para o bem-estar mental e o enriquecimento espiritual, particularmente no contexto de experiências com doses elevadas para melhorar a saúde mental.

No entanto, cada vez mais pessoas consideram impraticável fazer regularmente viagens com doses elevadas de psilocibina ou, por vezes, estão preocupadas com a intensidade de tais viagens. Em vez disso, tentam incluir doses regulares de substâncias psicadélicas, como a psilocibina ou o LSD, em quantidades muito mais pequenas na sua vida diária. Esta prática é chamada microdosagem psicadélica.

A microdosagem e a macrodosagem são duas dessas modalidades que oferecem caminhos distintos para o auto-desenvolvimento e a auto-descoberta, cada uma utilizando uma dose e um contexto diferentes para o nosso caminho de crescimento pessoal. Este artigo investiga o potencial da microdosagem e da macrodosagem para o crescimento pessoal, comparando os seus benefícios e desvantagens. Levámos semanas a escrever este artigo e a rever as provas disponíveis sobre microdosagem e macrodosagem para que não tenhas de o fazer. Esperamos que te ilumine o caminho a seguir. 

1. O que é a microdosagem?

microdosagem de substâncias psicadélicas, baixa intensidade

A microdosagem envolve a toma de quantidades "micro" ou muito pequenas, sub-perceptuais, de substâncias como o LSD ou a psilocibina. As doses são tipicamente uma pequena fração de uma dose completa que seria usada na macrodosagem. Normalmente, estamos a falar de 1/5 a 1/20 de uma dose macro. Os defensores deste método afirmam que melhora o humor, a produtividade, a atenção, a criatividade e a cognição sem alterações perceptivas significativas ou experiências psicadélicas. Como diz o artigo "How Silicon Valley rediscovered LSD" (Como o Vale do Silício redescobriu o LSD)[1] A microdosagem é anunciada por mentes criativas e líderes empresariais pela sua propensão para cultivar o pensamento inovador e aumentar a produtividade, transcendendo assim os limites do desenvolvimento pessoal para atingir a excelência profissional.

O recente aumento da popularidade da microdosagem tem as suas raízes no livro de James Fadiman de 2011, "The Psychedelic Explorers Guide".[2] Esta publicação trouxe o conceito de microdosagem para o mainstream, desencadeando uma onda de relatos pessoais, cobertura mediática e estudos científicos sobre o tema. Um dos relatos mais populares sobre os impactos positivos da microdosagem é o livro "A Really Good Day" de Ayelet Waldman.[3] Ayelet Waldman, uma defensora pública federal bem sucedida, lutava contra uma depressão profunda por detrás do seu sucesso exterior. Inspirada pelo trabalho de James Fadiman sobre microdosagem, decidiu experimentar ela própria e sentiu uma transformação profunda. Pela primeira vez, sentiu que algo a ajudava a combater a sua depressão. Ultrapassa as suas mudanças de humor e ganha uma confiança renovada. Esta viagem não só alterou a sua saúde mental, como também mudou fundamentalmente a sua perspetiva de vida.

2. Resume as provas científicas

Embora todos esses relatos individuais sobre os efeitos positivos da microdosagem pareçam sedutores, a questão é se essas alegações anedóticas da microdosagem podem realmente ser comprovadas.


O que é claro é que a avaliação científica dos benefícios da microdosagem ainda está na sua fase inicial. Infelizmente, a resposta não é clara se a microdosagem é realmente eficaz. Enquanto certas investigações sugerem benefícios tangíveis da microdosagem, outros estudos oferecem provas menos convincentes, mostrando vantagens mínimas ou inexistentes. Por exemplo, um estudo observacional recente que envolveu quase 1000 indivíduos que tomaram psilocibina por microdosagem e quase 200 participantes que não tomaram psilocibina durante um mês revelou melhorias modestas no humor e na saúde mental, consistentes com vários dados demográficos e estados de saúde mental.
[4] Estes resultados estão em consonância com inúmeros relatos pessoais que elogiam os impactos positivos da microdosagem.

No entanto, nem toda a investigação sobre a microdosagem produz resultados tão positivos. Um estudo notável utilizou um ensaio controlado aleatório, o padrão de ouro para eliminar efeitos de placebo, envolvendo 34 participantes.[5] Dividiram-se os participantes, tendo metade recebido psilocibina e a outra metade um placebo. Apesar de algumas melhorias subjectivas na felicidade e criatividade, e até mesmo alterações na atividade cerebral registada no EEG, o estudo não encontrou provas concretas de aumento da criatividade, bem-estar ou função cognitiva com doses baixas de psilocibina. Esta investigação apoia a teoria de que os benefícios percebidos com a microdosagem a estes níveis mais baixos podem resultar em grande parte da expetativa[6]sugerindo que podem ser necessárias doses mais elevadas para obter efeitos terapêuticos.

O estudo de revisão mais completo sobre a microdosagem, até à data, foi realizado por Polito et al. em 2022. Depois de analisar 44 estudos, alguns dos quais publicados na década de 1960, os autores chegaram à seguinte conclusão: Há boas provas de que a microdosagem psicadélica pode diminuir a perceção da dor[7]e influencia a consciência subjectiva. Não foi possível comprovar com segurança as melhorias registadas a nível da saúde mental, das perturbações associadas ao consumo de substâncias e do funcionamento psicológico.[8]

O resumo das suas conclusões é apresentado no quadro seguinte, separado por tipo de estudo.

Visão geral de alto nível dos efeitos da microdosagem (adaptado de Polito et al. 2022)
Efeitos observados tanto em auto-relatos como em estudos laboratoriaisEfeitos relatados em auto-relatos mas insuficientemente explorados em laboratóriosEfeitos relatados em auto-relatos, mas não confirmados em laboratórios
Alteração da perceção do tempoMelhoria da saúde mentalMelhora o humor
Aumenta o limiar da dorDiminui o consumo de drogasReforço dos laços sociais
Mudanças no estado de consciênciaMaior aceitaçãoMelhora os processos mentais
 Desaceleração da menteAumenta a consciência emocional
 Mudanças nos traços de personalidadeMelhoria da energia
 Aumenta o discernimento psicológico 
 Ligação com a natureza 
 Bem-estar geral 
 Aumenta o pensamento criativo 

3. Como é que posso beneficiar da microdosagem?

Humor e saúde mental

A microdosagem tem sido geralmente associada a uma melhoria do humor em vários estudos qualitativos, retrospectivos, prospectivos e laboratoriais[9], [10]. Também tem sido associada a menores valores de depressão, embora alguns estudos, especialmente os laboratoriais bem controlados, não tenham encontrado alterações significativas nos valores de depressão, afeto negativo ou afeto positivo nos dias de administração.[11], O impacto sobre a ansiedade e o stress mostrou resultados mistos, com alguns estudos a relatarem diminuições e outros aumentos ou resultados mistos.[11], [12] Foram comunicadas melhorias no consumo de substâncias, sobretudo em estudos qualitativos, tendo a microdosagem sido associada a reduções do tabagismo e do consumo de substâncias. No entanto, estes efeitos não foram amplamente investigados em laboratório.[6] Além disso, alguns estudos associaram a microdosagem à melhoria da saúde mental geral e à redução da gravidade da TOC. [7], [9]-[26]

Bem-estar e atitudes

Em três estudos qualitativos e num estudo retrospetivo, foram relatados aumentos no bem-estar, na realização pessoal, na auto-eficácia e na resiliência. No entanto, ainda não existem estudos laboratoriais que tenham investigado estes aspectos. [6], [8], [15], [27]

Criatividade e Cognição

Vários estudos indicam que a microdosagem pode estar associada a um aumento da criatividade[28]O estudo de caso mostra que o pensamento convergente e divergente foi melhorado. No entanto, os resultados não foram consistentes em todos os estudos. Alguns estudos mostraram alterações nas tarefas comportamentais neurocognitivas, como o impacto na perceção do tempo e na atenção selectiva, mas, mais uma vez, os resultados variaram, com alguns estudos a não apresentarem efeitos significativos.[13]-[15], [16], [18], [21], [22], [29]-[31] 

Personalidade

Os relatórios sobre as alterações de personalidade devidas à microdosagem foram menos consistentes. Alguns estudos relataram aumentos em traços como a abertura e a extroversão, enquanto outros não encontraram alterações significativas nos clássicos cinco grandes traços de personalidade. De notar que a maioria das experiências se centrou em alterações agudas e não a longo prazo, o que limita a compreensão das alterações duradouras da personalidade. Os estudos relataram consistentemente aumentos nos sentimentos, atitudes e comportamentos interpessoais, indicando melhores relações e ligações interpessoais. [6], [9], [12], [18], [21], [22], [27], [32]-[34]

Alterações no estado de consciência

Apesar das alegações de que a microdosagem é subperceptual, as provas sugerem que conduz a alterações na consciência subjectiva. Uma análise qualitativa indicou mudanças no estado psicofisiológico, caracterizadas por uma presença elevada e clareza perceptiva, que se acredita serem essenciais para os efeitos benéficos da microdosagem. [18], [20], [22], [22], [30], [35]-[42]

Em suma, os primeiros estudos apontam para potenciais vantagens; no entanto, a comunidade científica apela a mais investigação de alta qualidade para fundamentar estes resultados.

4. A microdosagem é segura?
Tos perigos ocultos da microdosagem

Não dispomos de provas suficientes sobre os riscos relacionados com o uso a longo prazo. Mas uma das maiores preocupações é que o uso prolongado de psilocibina em microdoses pode causar doença cardíaca valvular devido à ativação crónica dos receptores 2B da serotonina.[43]

A doença cardíaca valvular (DHV) envolve o comprometimento das válvulas cardíacas responsáveis pela gestão da circulação sanguínea dentro e fora do coração, levando a sintomas como falta de ar, fraqueza geral e até mesmo o risco de morte súbita relacionada com o coração. Os medicamentos que interagem fortemente com o recetor da serotonina 2B (5HT2B) têm sido apontados como uma causa potencial da DHV. Por exemplo, até um quarto dos utilizadores crónicos de medicamentos de prescrição comum como a metilergonovina, a metisergida, a ergotamina, a pergolida, a cabergolina e a fenfluramina desenvolvem DHV. Isto deve-se muito provavelmente ao facto de estes fármacos apresentarem uma afinidade acentuada de ligação ao recetor 5HT2B.[44] Como o LSD e a psilocibina são conhecidos pela sua ligação ao recetor 5HT2B, isto pode ser preocupante quando estas substâncias são usadas em doses pequenas e consistentes durante longos períodos.

Num estudo que envolveu 29 consumidores de MDMA que tomaram uma média de 3,6 comprimidos de MDMA por semana durante mais de meia década, verificou-se que quase um terço tinha VHD ligeira a moderada. Isto contrasta notavelmente com um grupo de controlo, onde não foram registados casos de VHD.[45] Este estudo assinala uma tendência preocupante, uma vez que o LSD e a psilocibina, habitualmente utilizados na microdosagem, se ligam mais fortemente ao recetor 5HT2B do que a MDMA. É evidente que é necessária mais investigação sobre a segurança da microdosagem antes de esta poder ser considerada segura.

Outra desvantagem da microdosagem pode ser a tolerância que o corpo adquire a estas substâncias, tornando-as ineficazes se não forem seguidas num regime estruturado em que a ingestão é pausada. A tolerância parece ser adquirida mais rapidamente com o LSD do que com a psilocibina.[46] 

5. Macrodosagem de substâncias psicadélicas num contexto de retiro

macrodosagem de substâncias psicadélicas, alta intensidade

A macrodosagem, por outro lado, envolve o consumo de uma dose grande ou "macro" de uma substância psicadélica. Uma abordagem que é melhor empreendida num ambiente de retiro seguro, legal e bem orientado. Para saberes como escolher um retiro psicadélico bem orientado que se adeqúe a ti, vê este artigo.

Uma experiência de macrodose bem orientada induz uma experiência poderosa caracterizada por alterações significativas na perceção, no humor e nos processos cognitivos. Muitas vezes, esta experiência é descrita, como fez o investigador pioneiro Prof. Roland Griffiths, como "inefável", o que significa que não se pode pôr palavras na experiência. Os participantes no estudo descreveram a sua viagem de macrodosagem como uma das experiências mais profundas das suas vidas, comparando-a ao nascimento dos seus filhos ou à morte de um familiar próximo ou de um ente querido.[47] Se ainda estás curioso, podes encontrar a nossa tentativa de o descrever aqui. Uma dose macro, num ambiente ideal, pode criar uma experiência profundamente significativa, perspicaz e introspectiva que, quando integrada eficazmente, pode forjar impactos benéficos persistentes na auto-compreensão de um indivíduo, no seu bem-estar emocional, na sua perspetiva de vida e no seu crescimento espiritual.[47] Os benefícios de uma experiência psicadélica de macrodose não dependem da ingestão contínua da substância. Pelo contrário, muitas pessoas relatam que uma experiência psicadélica de macrodose foi tão significativa que lhes mostrou o suficiente para integrarem e agirem durante anos.

Em contraste com a microdosagem, existe um conjunto substancial de provas científicas que demonstram que a macrodosagem (particularmente com psilocibina) é, nas condições certas (!), uma prática segura [48]-[51] e pode ter efeitos positivos em populações doentes e saudáveis numa vasta gama de factores, desde dimensões psicológicas como o humor, passando pelo bem-estar espiritual, até alterações fisiológicas como o aumento da neuroplasticidade. [52]-[57]

A intensidade da macrodosagem pode ser avassaladora, levando potencialmente a um desconforto psicológico temporário. Por conseguinte, recomenda-se vivamente a orientação profissional num ambiente de apoio para garantir a segurança e maximizar os benefícios da experiência. Os participantes devem ser sempre examinados por profissionais médicos qualificados antes de se envolverem numa viagem de macrodose para detetar determinadas perturbações psiquiátricas pré-existentes, a sua estabilidade psicológica e outros factores (por exemplo, historial médico, ingestão de medicamentos...). Caso contrário, uma viagem de macrodose pode fazer mais mal do que bem e desestabilizar as pessoas.  

As substâncias habitualmente utilizadas para a macrodosagem em contextos de retiro são as "substâncias psicadélicas clássicas", que incluem a psilocibina (cogumelos mágicos), o LSD, o DMT (ayahuasca) e a mescalina (cactos peiote e San Pedro), seleccionadas em função do seu perfil psicoativo e da duração e profundidade desejadas para a experiência.

Algo entre a microdose e a macrodose

aumenta a intensidade com um botão à medida que a dose psicadélica aumenta

No nosso artigo intitulado "Uma espreitadela à mente psicadélica", descrevemos como a relação entre a dose que se toma e a experiência que se tem pode ser comparada a um mostrador. À medida que aumentas o mostrador, tomando uma dose mais elevada, a experiência torna-se mais intensa e a pessoa influenciada torna-se mais vulnerável. Portanto, sim, há muito entre uma microdose e uma macrodose.

Acreditamos que o atrativo de uma microdose é o facto de não haver risco de uma chamada "viagem má", porque não há efeitos perceptivos ou mudanças drásticas na consciência. Pode ser usada mais casualmente, no dia a dia, e é mais acessível do que um retiro bem orientado. No entanto, a microdosagem nunca será capaz de proporcionar a profundidade da experiência e o potencial de transformação que se pode ter quando se passa por uma experiência psicadélica de macrodoses. É normal que receies mais uma experiência destas, porque não queremos uma má experiência e não sabemos quem seremos depois de terminada a viagem da macrodose.

Antes de entrares no desconhecido de uma experiência macro psicadélica, é um sinal normal e saudável sentires excitação e um ligeiro nervosismo. Com uma preparação adequada, orientação e estando no ambiente certo, podes aprender a confiar, render-te e deixar-te levar pela experiência. Esta é a chave para evitar que uma "má viagem" aconteça (para além de garantires a elegibilidade médica, claro). Se tens curiosidade em saber mais sobre más viagens, o que as causa e como evitá-las, dá uma vista de olhos a este artigo.

Que dosagem usamos nos nossos programas de retiros psicadélicos?

Nos nossos programas de retiros psicadélicos EvoLEAD e EvoCORE, a equipa de facilitação no local, constituída por médicos, psicólogos clínicos e facilitadores cerimoniais, decide cuidadosamente uma dose de trufas psicadélicas personalizada para cada participante. Não trabalhamos com microdoses, uma vez que criamos um recipiente seguro para uma experiência mais profunda. A dose que cada participante recebe é parcialmente determinada pelos resultados do exame médico-psicológico, mas também tem em conta o que o participante do retiro quer descobrir e aquilo para que está preparado. Por último, também se baseia na forma como o participante responde ao trabalho de respiração de estilo holotrópico que normalmente fazemos no primeiro dia dos retiros (o trabalho de respiração holotrópico ajuda a conhecer os estados alterados de consciência e serve de preparação para a experiência com trufas contendo psilocibina no dia seguinte).

7. Conclusão: Microdosagem vs. Macrodosagem

Como vimos, a microdosagem e a macrodosagem servem caminhos diferentes e potencialmente complementares para o crescimento e desenvolvimento pessoal. No entanto, a profundidade do impacto que têm nas nossas vidas é muito diferente.

A microdosagem é muitas vezes o regime de escolha para quem procura melhorar subtilmente a vida quotidiana, como por exemplo, ter um ligeiro impulso criativo. As provas científicas sobre os benefícios da microdosagem não são fortes e justificam mais investigações. Poderão existir problemas de segurança quando tomas microdoses de substâncias psicadélicas durante períodos de tempo prolongados.

Por outro lado, a macrodosagem, particularmente no contexto de um retiro psicadélico bem facilitado, é procurada pela sua capacidade de facilitar a introspeção profunda, o desenvolvimento psicológico transformacional e/ou a integração ("cura"), sem necessidade de uso contínuo. As provas científicas sobre a segurança e eficácia das substâncias psicadélicas macrodoseadas (em particular a psilocibina) são fortes.

Como nota final: independentemente da forma como te envolvas com uma substância psicadélica, mas especialmente à medida que a dose aumenta, nunca é demais sublinhar a importância da preparação, do enquadramento, da orientação, do ambiente, da compreensão e do apoio adequados para garantir uma experiência benéfica e segura. Dá uma vista de olhos ao nosso artigo COMO ESCOLHER UM RETIRO PSICADÉLICO QUE ESTEJA DE ACORDO COM OS TEUS VALORES E CRENÇAS PESSOAIS para teres uma ideia melhor do que deves procurar quando consideras um fornecedor de retiros psicadélicos. 

Tem em atenção que não fornecemos aconselhamento médico e que deves sempre procurar ajuda de um profissional de saúde antes de tomares qualquer decisão sobre o consumo de substâncias psicadélicas.

 

Bibliografia sobre a microdosagem

[1] H. Kuchler, "Como o Vale do Silício redescobriu o LSD", Financial Times, 10 de agosto de 2017. Acedido: 27 de novembro de 2023. [Online]. Available: https://www.ft.com/content/0a5a4404-7c8e-11e7-ab01-a13271d1ee9c

[2] "The Psychedelic Explorer's Guide | O manual do Dr. James Fadiman oferece uma orientação útil e bem informada para aqueles que procuram 'o divino interior' através de plantas sagradas e substâncias psicadélicas." Acedido: 27 de novembro de 2023. [Online]. Disponível: https://www.psychedelicexplorersguide.com/

[3] "Um Dia Muito Bom de Ayelet Waldman: 9781101973721 | PenguinRandomHouse.com: Books", PenguinRandomhouse.com. Acedido: 27 de novembro de 2023. [Online]. Disponível: https://www.penguinrandomhouse.com/books/545767/a-really-good-day-by-ayelet-waldman/

[4] J. M. Rootman et al., "Psilocybin microdosers demonstrate greater observed improvements in mood and mental health at one month relative to non-microdosing controls," Sci. Rep., vol. 12, no. 1, Art. no. 1, Jun. 2022, doi: 10.1038/s41598-022-14512-3.

[5] F. Cavanna et al., "Microdosing with psilocybin mushrooms: a double-blind placebo-controlled study," Transl. Psychiatry, vol. 12, no. 1, Art. no. 1, Aug. 2022, doi: 10.1038/s41398-022-02039-0.

[6] L. S. Kaertner et al., "Positive expectations predict improved mental-health outcomes linked to psychedelic microdosing," Sci. Rep., vol. 11, no. 1, Art. no. 1, Jan. 2021, doi: 10.1038/s41598-021-81446-7.

[7] J. G. Ramaekers et al., "A low dose of lysergic acid diethylamide decreases pain perception in healthy volunteers," J. Psychopharmacol. Oxf. Engl., vol. 35, no. 4, pp. 398-405, Abr. 2021, doi: 10.1177/0269881120940937.

[8] V. Polito e P. Liknaitzky, "The emerging science of microdosing: A systematic review of research on low dose psychedelics (1955-2021) and recommendations for the field," Neurosci. Biobehav. Rev., vol. 139, p. 104706, Aug. 2022, doi: 10.1016/j.neubiorev.2022.104706.

[9] "Johnstad, P. G. (2018). Substâncias poderosas em pequenas quantidades: Um estudo de entrevista sobre microdosagem psicadélica. Estudos Nórdicos sobre Álcool e Drogas, 35(1), 39-

[10] "Anderson, T., Petranker, R., Christopher, A., Rosenbaum, D., Weissman, C., Dinh-Williams, L.-A., Hui, K., e Hapke, E. (2019a). Benefícios e desafios da microdosagem psicadélica: um livro de códigos empírico. Harm Reduction Journal, 16(1), 43.".

[11] P. Cameron, C. J. Benson, L. E. Dunlap e D. E. Olson, "Efeitos da N, N-Dimetiltriptamina em Comportamentos de Ratos Relevantes para a Ansiedade e Depressão", ACS Chem. Neurosci., vol. 9, no. 7, pp. 1582-1590, Jul. 2018, doi: 10.1021/acschemneuro.8b00134.

[12] "A psilocibina produz reduções substanciais e sustentadas na depressão e na ansiedade em pacientes com cancro em risco de vida: Um estudo randomizado e duplo-cego - Roland R Griffiths, Matthew W Johnson, Michael A Carducci, Annie Umbricht, William A Richards, Brian D Richards, Mary P Cosimano, Margaret A Klinedinst, 2016." Acedido: 27 de novembro de 2023. [Online]. Available: https://journals.sagepub.com/doi/full/10.1177/0269881116675513

[13] J. Fadiman e S. Korb, "Poderá a microdosagem de substâncias psicadélicas ser segura e benéfica? An Initial Exploration," J. Psychoactive Drugs, vol. 51, no. 2, pp. 118-122, 2019, doi: 10.1080/02791072.2019.1593561.

[14] T. Lea, N. Amada, H. Jungaberle, H. Schecke, e M. Klein, "Microdosing psychedelics: Motivations, subjective effects and harm reduction," Int. J. Drug Policy, vol. 75, p. 102600, Jan. 2020, doi: 10.1016/j.drugpo.2019.11.008.

[15] M. Webb, H. Copes e P. S. Hendricks, "Narrative identity, rationality, and microdosing classic psychedelics", Int. J. Drug Policy, vol. 70, pp. 33-39, agosto de 2019, doi: 10.1016/j.drugpo.2019.04.013.

[16] T. Anderson et al., "Microdosing psychedelics: personality, mental health, and creativity differences in microdosers," Psychopharmacology (Berl.), vol. 236, no. 2, pp. 731-740, Feb. 2019, doi: 10.1007/s00213-018-5106-2.

[17] N. R. P. W. Hutten, N. L. Mason, P. C. Dolder e K. P. C. Kuypers, "Motives and Side-Effects of Microdosing With Psychedelics Among Users", Int. J. Neuropsychopharmacol, vol. 22, no. 7, pp. 426-434, Jul. 2019, doi: 10.1093/ijnp/pyz029.

[18] B. Szigeti et al., "Self-blinding citizen science to explore psychedelic microdosing," eLife, vol. 10, p. e62878, Mar. 2021, doi: 10.7554/eLife.62878.

[19] N. R. P. W. Hutten et al., "Mood and cognition after administration of low LSD doses in healthy volunteers: A placebo controlled dose-effect finding study," Eur. Neuropsychopharmacol. J. Eur. Coll. Neuropsychopharmacol, vol. 41, pp. 81-91, Dez. 2020, doi: 10.1016/j.euroneuro.2020.10.002.

[20] H. Isbell, "Comparison of the reactions induced by psilocybin and LSD-25 in man," Psychopharmacologia, vol. 1, pp. 29-38, 1959, doi: 10.1007/BF00408109.

[21] V. Polito e R. J. Stevenson, "A systematic study of microdosing psychedelics," PLOS ONE, vol. 14, no. 2, p. e0211023, Feb. 2019, doi: 10.1371/journal.pone.0211023.

[22] K. Bershad, S. T. Schepers, M. P. Bremmer, R. Lee e H. de Wit, "Efeitos agudos subjetivos e comportamentais de microdoses de dietilamida de ácido lisérgico em voluntários humanos saudáveis", Biol. Psychiatry, vol. 86, no. 10, pp. 792-800, Nov. 2019, doi: 10.1016/j.biopsych.2019.05.019.

[23] A. K. Bershad et al., "Preliminary Report on the Effects of a Low Dose of LSD on Resting-State Amygdala Functional Connectivity", Biol. Psychiatry Cogn. Neurosci. Neuroimaging, vol. 5, no. 4, pp. 461-467, Abr. 2020, doi: 10.1016/j.bpsc.2019.12.007.

[24] A. Kjellgren, A. Eriksson, and T. Norlander, "Experiences of Encounters with Ayahuasca-'the Vine of the Soul,'" J. Psychoactive Drugs, vol. 41, no. 4, pp. 309-315, Dez. 2009, doi: 10.1080/02791072.2009.10399767.

[25] P. Gasser, K. Kirchner, e T. Passie, "LSD-assisted psychotherapy for anxiety associated with a life-threatening disease: a qualitative study of acute and sustained subjective effects," J. Psychopharmacol. Oxf. Engl., vol. 29, no. 1, pp. 57-68, Jan. 2015, doi: 10.1177/0269881114555249.

[26] F. A. Moreno, C. B. Wiegand, E. K. Taitano, e P. L. Delgado, "Safety, tolerability, and efficacy of psilocybin in 9 patients with obsessive-compulsive disorder," J. Clin. Psychiatry, vol. 67, no. 11, pp. 1735-1740, Nov. 2006, doi: 10.4088/jcp.v67n1110.

[27] T. Anderson et al., "Psychedelic microdosing benefits and challenges: an empirical codebook," Harm. Reduct. J., vol. 16, no. 1, p. 43, Jul. 2019, doi: 10.1186/s12954-019-0308-4.

[28] N. Bonnieux, B. VanderZwaag, Z. Premji, A. Garcia-Romeu, e M. A. Garcia-Barrera, "Psilocybin's effects on cognition and creativity: A scoping review," J. Psychopharmacol. (Oxf.), vol. 37, no. 7, pp. 635-648, Jul. 2023, doi: 10.1177/02698811231179801.

[29] L. Prochazkova, D. P. Lippelt, L. S. Colzato, M. Kuchar, Z. Sjoerds e B. Hommel, "Explorando o efeito da microdosagem de psicodélicos na criatividade em um ambiente natural de rótulo aberto", Psychopharmacology (Berl.), vol. 235, no. 12, pp. 3401-3413, Dec. 2018, doi: 10.1007/s00213-018-5049-7.

[30] S. Yanakieva, N. Polychroni, N. Family, L. T. J. Williams, D. P. Luke e D. B. Terhune, "Os efeitos da microdose de LSD na perceção do tempo: um estudo randomizado, duplo-cego e controlado por placebo", Psychopharmacology (Berl.), vol. 236, no. 4, pp. 1159-1170, Abr. 2019, doi: 10.1007/s00213-018-5119-x.

[31] J. Wackermann, M. Wittmann, F. Hasler, e F. X. Vollenweider, "Efeitos de doses variadas de psilocibina na reprodução de intervalos de tempo em seres humanos," Neurosci. Lett., vol. 435, no. 1, pp. 51-55, Abr. 2008, doi: 10.1016/j.neulet.2008.02.006.

[32] D. Erritzoe et al., "Effects of psilocybin therapy on personality structure," Ata Psychiatr. Scand., vol. 138, no. 5, pp. 368-378, 2018, doi: 10.1111/acps.12904.

[33] "Companheiros imaginários na infância: What Can Prospective Longitudinal Research Tell Us About Their Fate by Adolescence?", doi: 10.1002/jocb.468.

[34] T. GREINER, N. R. BURCH, e R. EDELBERG, "Psicopatologia e Psicofisiologia da Dosagem Mínima de LSD-25: Um Espectro Preliminar de Dosagem-Resposta", AMA Arch. Neurol. Psychiatry, vol. 79, no. 2, pp. 208-210, fev. 1958, doi: 10.1001/archneurpsyc.1958.02340020088016.

[35] F. Tylš, T. Páleníček, e J. Horáček, "Psilocybin-summary of knowledge and new perspectives," Eur. Neuropsychopharmacol. J. Eur. Coll. Neuropsychopharmacol., vol. 24, no. 3, pp. 342-356, Mar. 2014, doi: 10.1016/j.euroneuro.2013.12.006.

[36] F. Hasler, U. Grimberg, M. A. Benz, T. Huber, and F. X. Vollenweider, "Acute psychological and physiological effects of psilocybin in healthy humans: a double-blind, placebo-controlled dose-effect study," Psychopharmacology (Berl.), vol. 172, no. 2, pp. 145-156, Mar. 2004, doi: 10.1007/s00213-003-1640-6.

[37] F. Holze et al., "Distinct acute effects of LSD, MDMA, and D-amphetamine in healthy subjects," Neuropsychopharmacology, vol. 45, no. 3, Art. no. 3, Fev. 2020, doi: 10.1038/s41386-019-0569-3.

[38] C. C. Wagner e O. Langer, "Approaches using molecular imaging technology - use of PET in clinical microdose studies," Adv. Drug Deliv. Rev., vol. 63, no. 7, p. 539, Jun. 2011, doi: 10.1016/j.addr.2010.09.011.

[39] R. J. Strassman, C. R. Qualls, E. H. Uhlenhuth, e R. Kellner, "Dose-Response Study of N,N-Dimethyltryptamine in Humans: II. Efeitos subjectivos e resultados preliminares de uma nova escala de classificação," Arch. Gen. Psychiatry, vol. 51, no. 2, pp. 98-108, Feb. 1994, doi: 10.1001/archpsyc.1994.03950020022002.

[40] R. R. Griffiths et al., "A experiência do tipo místico ocasionada pela psilocibina em combinação com a meditação e outras práticas espirituais produz mudanças positivas duradouras no funcionamento psicológico e nas medidas de traços de atitudes e comportamentos pró-sociais", J. Psychopharmacol. (Oxf.), vol. 32, no. 1, pp. 49-69, Jan. 2018, doi: 10.1177/0269881117731279.

[41] E. Studerus, A. Gamma, e F. X. Vollenweider, "Avaliação psicométrica da escala de avaliação dos estados alterados de consciência (OAV)," PLOS ONE, vol. 5, no. 8, p. e12412, Aug. 2010, doi: 10.1371/journal.pone.0012412.

[42] R. A. Sewell, J. H. Halpern, e H. G. Pope, "Response of cluster headache to psilocybin and LSD," Neurology, vol. 66, no. 12, pp. 1920-1922, Jun. 2006, doi: 10.1212/01.wnl.0000219761.05466.43.

[43] "Receptores de serotonina e doença valvular cardíaca - Era para ser 2B - ScienceDirect". Acedido: 27 de novembro de 2023. [Online]. Disponível: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S016372581100074X?viaihub

[44] T. Papoian et al., "Regulatory Forum Review*: Utility of in Vitro Secondary Pharmacology Data to Assess Risk of Drug-induced Valvular Heart Disease in Humans: Regulatory Considerations," Toxicol. Pathol, vol. 45, no. 3, pp. 381-388, Apr. 2017, doi: 10.1177/0192623317690609.

[45] S. Droogmans et al., "Possible association between 3,4-methylenedioxymethamphetamine abuse and valvular heart disease," Am. J. Cardiol, vol. 100, no. 9, pp. 1442-1445, Nov. 2007, doi: 10.1016/j.amjcard.2007.06.045.

[46] S. Baumann, R. Carhart-Harris, D. Nutt, D. Erritzoe e B. Szigeti, "Evidência de tolerância na microdosagem psicadélica do ensaio de microdose auto-cego". PsyArXiv, 19 de outubro de 2022. doi: 10.31234/osf.io/s4qhf.

[47] R. R. Griffiths, W. A. Richards, U. McCann, and R. Jesse, "Psilocybin can occasion mystical-type experiences having substantial and sustained personal meaning and spiritual significance," Psychopharmacology (Berl.), vol. 187, no. 3, pp. 268-283, Aug. 2006, doi: 10.1007/s00213-006-0457-5.

[48] A. T. Hodge, S. Sukpraprut-Braaten, M. Narlesky, e R. C. Strayhan, "The Use of Psilocybin in the Treatment of Psychiatric Disorders with Attention to Relative Safety Profile: A Systematic Review," J. Psychoactive Drugs, vol. 55, no. 1, pp. 40-50, Jan. 2023, doi: 10.1080/02791072.2022.2044096.

[49] S. Dodd et al., "Psilocybin in neuropsychiatry: a review of its pharmacology, safety, and efficacy," CNS Spectr., vol. 28, no. 4, pp. 416-426, Aug. 2023, doi: 10.1017/S1092852922000888.

[50] P. Sharma et al., "Psilocybin history, action and reaction: A narrative clinical review," J. Psychopharmacol. (Oxf.), vol. 37, no. 9, pp. 849-865, Sep. 2023, doi: 10.1177/02698811231190858.

[51] D. Kaminski e J. P. Reinert, "The Tolerability and Safety of Psilocybin in Psychiatric and Substance-Dependence Conditions: Uma revisão sistemática", Ann. Pharmacother., p. 10600280231205645, Oct. 2023, doi: 10.1177/10600280231205645.

[52] D. B. Goel e S. Zilate, "Potential Therapeutic Effects of Psilocybin: A Systematic Review," Cureus, vol. 14, no. 10, p. e30214, doi: 10.7759/cureus.30214.

[53] J. van Amsterdam e W. van den Brink, "The therapeutic potential of psilocybin: a systematic review," Expert Opin. Drug Saf., vol. 21, no. 6, pp. 833-840, Jun. 2022, doi: 10.1080/14740338.2022.2047929.

[54] S. Shnayder, R. Ameli, N. Sinaii, A. Berger, e M. Agrawal, "Psilocybin-assisted therapy improves psycho-social-spiritual well-being in cancer patients," J. Affect. Disord., vol. 323, pp. 592-597, Fev. 2023, doi: 10.1016/j.jad.2022.11.046.

[55] K. M. Baker, C. M. Ulrich, and S. H. Meghani, "An Integrative Review of Measures of Spirituality in Experimental Studies of Psilocybin in Serious Illness Populations," Am. J. Hosp. Palliat. Med., vol. 40, no. 11, pp. 1261-1270, Nov. 2023, doi: 10.1177/10499091221147700.

[56] E. Whinkin, M. Opalka, C. Watters, A. Jaffe, e S. Aggarwal, "Psilocibina em Cuidados Paliativos: An Update," Curr. Geriatr. Rep., vol. 12, no. 2, pp. 50-59, Jun. 2023, doi: 10.1007/s13670-023-00383-7.

[57] R. Nardou et al., "Psychedelics reopen the social reward learning critical period," Nature, vol. 618, no. 7966, Art. no. 7966, Jun. 2023, doi: 10.1038/s41586-023-06204-3.

 

Quem conheces? Quem mais estaria interessado neste post?
Partilhar via
Subscreve o boletim informativo
No máximo, uma vez de duas em duas semanas.
A lâmpada que representa as ideias do blogue
A lâmpada que representa as ideias do blogue

Avança na tua busca de crescimento e bem-estar

Inscreve-te na Conversa de Especialistas Evolute em direto

Ideias inovadoras de grandes pensadores em conversa com os nossos anfitriões Evolute. Obtém uma visão única do teu próprio caminho de crescimento pessoal, profissional e espiritual. Não tens de pagar nada.

Ao inscreveres-te concordas em receber comunicações do Evolute Institute. Os teus dados não serão partilhados com terceiros.

"Quando me liberto do que sou, Eu torno-me naquilo que posso ser".

- Lao-Tzu

Recebe informações e actualizações de eventos do Evolute Institute